Brasileiros acham que a economia compartilhada melhora a sua vida

Levantamento indica que a economia de compartilhamento de bens cresce atrai cada vez mais brasileiros, mas ainda há desafios. Entenda

Crédito: Shutterstock

O compartilhamento de bens como carros, casas e roupas é o principal motor da economia compartilhada. No Brasil, esse modelo de consumo colaborativo está crescendo e já é comemorado por quase 80% da população.

Levantamento feito pela SPC Brasil e CNDL em todas as capitais do Brasil mostra quais tipos de compartilhamento são mais usados pelos brasileiros e descobriu a pré-disposição do País em tornar a economia compartilhada algo real no cotidiano.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

Perfil de uso

Para 79% dos entrevistados o compartilhamento de bens torna a vida mais fácil e funcional e 68% se imaginam participando do consumo colaborativo nos próximos dois anos.

Ente os tipos de compartilhamento o aluguel de casa e apartamentos é o mais usado, com 40%. Já as caronas para o trabalho ou faculdade ocupam a segunda posição das preferências (39%) seguido do aluguel de roupas (31%).

“Os resultados indicam que os brasileiros começam a despertar interesse pelo consumo colaborativo, mas ainda aderem a ele de maneira tímida”, explicou por nota Honório Pinheiro, presidente da CNDL. “Talvez porque a economia compartilhada traduza, essencialmente, um jeito novo de encarar as coisas e, nem sempre as pessoas estão abertas a mudanças tão significativas em seus hábitos de consumo”, completou.

O que gostam de compartilhar

O estudo também identificou quais categorias de produtos os brasileiros acreditam que vale mais a pena alugar ao invés de adquirir um novo.

Os livros lideram este ranking com 56%, seguido de equipamentos de ginástica (53%), artigos esportivos (53%), itens de jardinagem (51%) e instrumentos musicais (50%).

O consumo compartilhado de itens pessoais também merece destaque. Isso porque no último ano, 24% dos consumidores disseram que venderam alguma peça do próprio guarda-roupa enquanto 22% disseram que venderam seu aparelho de celular.

Por que estão compartilhando?

A principal vantagem de compartilhar bens, na visão de 47% dos consumidores, é economizar dinheiro. Em segundo está evitar o desperdiço (46%), combater o consumo excessivo (45%) e o fato de poder ajudar o próximo (38%).

A preservação do meio ambiente é outra questão que surge forte, com 31%, seguido da experiência de conhecer uma pessoa nova para construir novas redes de relacionamento (30%) ou melhorar a qualidade de vida (29%).

Já 28% dos entrevistados dizem que gostam deste tipo de economia pois veem no consumo compartilhado uma forma de ganhar dinheiro.

Desafios

A falta de confiança em desconhecidos ainda é a principal barreira para aqueles que ainda não são adeptos a economia colaborativo. Quase a metade dos entrevistados (47%) disse que tem medo de serem passados para trás.

Para 42% o principal temor é ter que lidar diretamente com estranhos, já 37% disse que sentem faltas de garantias para casos de não cumprimento dos acordos. E 71% acreditam que o modelo de compartilhamento podem ter problemas no Brasil porque as pessoas do País não são confiáveis.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Vídeos

VEJA MAIS

Revista Consumidor Moderno

VEJA MAIS