Varejo deve crescer 1,8% até o fim do ano, segundo a CNC

Volume de vendas, redução de juros e melhoria no emprego fizeram a CNC rever taxa de 1,6% para 1,8%. Entenda por que isso aconteceu

A alta de 4,4% nas vendas de julho fez a revisão do crescimento do varejo parecer um pouco mais animador que o esperado. Segundo a Pesquisa Mensal do Comércio, o setor deve crescer 1,8% contra os 1,6% esperados anteriormente.
A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!
Junho impulsionou as vendas e transformou o segundo trimestre do ano o melhor do varejo desde os últimos três meses de 2014. Todos os 10 segmentos que compõem o varejo ampliado cresceram em relação ao mesmo mês do ano anterior, fato que não acontecia desde abril de 2014.

Destaques

O segmento de móveis e eletrodomésticos foi o que mais cresceu, registrando alta de 12,7%. Materiais de construção (7%) e equipamentos de escritórios e material de informática (5,1%) fecham o topo do ranking dos segmentos destaques.
Outro destaque se dá pelos aumentos regionais. Segundo o levantamento, apenas quatro regiões obtiveram variações negativas em relação a junho de 2016, o que não acontecia desde 2014.
Entre os Estados que mais se destacaram foi Santa Catarina (12,1%), Rio Grande do Sul (8,1%) e Amazonas (6,4%).

Justificativa

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) justificou a melhoria devido a redução das taxas de juros e aumento do número de empregados.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Quanto custa abrir uma franquia de varejo no Brasil?

Home office é tendência de trabalho para 2020: veja 5 dicas

“Parasita”: Pessoas, baratas, parasitas e a diluição da identidade

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

Quais são as tendências para 2020. Veja a lista

VEJA MAIS