O lado nada delicioso do café brasileiro

O Brasil possui um dos cafés mais conhecidos do mundo. No entanto, um teste de qualidade mostra um lado indigesto de uma das bebidas favoritas do brasileiro

Por: - 2 anos atrás

Shutterstock

A Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor) realizou um teste que definitivamente será de interesse daqueles que não dispensam um bom café – e, infelizmente, não temos uma boa notícia para você.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

A entidade analisou quatro marcas de café. Para a realização deste teste, a entidade levou em conta o regulamento técnico da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que estabelece os requisitos mínimos para avaliação de matérias estranhas macroscópicas e microscópicas em alimentos e bebidas, assim como seus limites de tolerância (o chamado RDC 14/2014). Em outras palavras, segundo a legislação, cada produto pode trazer certa quantidade de corpos estranhos. O máximo permitido no pó de café, por exemplo, são 60 fragmentos de insetos em 25 gramas do alimento.

Inseto inteiro

No levantamento, o produto da Melitta foi reprovado. De acordo com Proteste foi encontrado um inseto inteiro morto na amostra – o que, evidentemente, não é permitido segundo a legislação vigente no País.

Já no café 3 Corações foi encontrado 15 fragmentos de insetos – número que está dentro do previsto na legislação. Já as marcas Caboclo e Pilão não foram encontrados nenhum corpo estranho, fosse ele macroscópico ou microscópico.

A Proteste afirma que “dificilmente” a ingestão de café com esses microrganismos poderiam resultar em sérios problemas para a saúde. “Porém, se há produtos livres de matérias estranhas no mercado, por que dar preferência àqueles que possuem inseto ou fragmentos de inseto dentro de suas embalagens?”, questiona a entidade na nota.

Proteste/ divulgação

O outro lado

Em nota, a Melitta do Brasil falou sobre o teste da Proteste sobre o produto. De acordo com a empresa, não há qualquer irregularidade no produto café em pó tradicional, embalagem Pouch 500g.

A empresa afirma ainda que não teve acesso à metodologia adotada nos testes do PROTESTE em seu produto, laboratórios em que foram realizados, locais em que foram adquiridos, condições em que os produtos foram armazenados e critérios adotados. Mesmo assim, por respeito e responsabilidade para com os consumidores, a empresa realizou o recolhimento do lote específico do mercado nacional para a realização de novos testes.

O laudo do lote em questão, realizado por laboratório líder de mercado certificado pelo INMETRO (Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo), atestou que o produto atende a todas as especificações técnicas exigidas pela legislação vigente regulamentada pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

A marca reitera que prima pela qualidade e que tem como prioridade entregar a excelência no produto final e, para isso, conta com exigentes processos de controle e certificados que comprovam o alto nível de qualidade de todos os seus produtos, como o Selo de Pureza ABIC (Associação Brasileira da Indústria do Café), o Certificado ISO 9001 de gestão de qualidade, o Programa de Qualidade do Café da ABIC e o Programa de Boas Práticas de Fabricação.