E-commerce registra queda no percentual de fraudes em 2016

Mapa da Fraude, criado pela ClearSale, mostra que 3,05% das compras têm algum tipo de golpe envolvido. Em 2015, o percentual era de 4,39%

Todos estão cansados de saber que nem tudo o que está na internet é verdade. Além das famigeradas “fake news”, sites e produtos também podem representar puras mentiras. É o que mostrou o Mapa da Fraude no Brasil, criado pela ClearSale, empresa especializada em soluções antifraudes. No ano passado, três a cada 100 transações no e-commerce tiveram algum tipo de golpe.
A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!
Os estados do Norte e do Nordeste continuam sendo as que registram a maior quantidade de golpes, 6,73% e 4,6%, respectivamente. Mesmo bem acima da média, as regiões tiveram uma grande redução em comparação a 2015: 12,25% de diminuição no Norte e de 35,7% no Nordeste.

As regiões Sul e Sudeste, que concentram a maior parte das compras do e-commerce brasileiro, ajudaram a média de fraudes no País a cair. Nos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul apenas 1,72% das compras têm algum tipo de problema. Em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e no Espírito Santo o percentual salta para 2,76%.

Games e smartphones dominam fraudes

De acordo com o estudo, os produtos que mais chamam a atenção dos fraudadores são os smartphones e vídeo games. Segundo Martins, a liquidez das mercadorias e o alto valor agregado são os responsáveis por isso.
“É mais fácil o fraudador revender um celular ou um videogame comprado com o cartão clonado do que um sofá, por exemplo”, diz ele.
De acordo com o especialista, entre os principais tipos de golpes estão a clonagem de cartões de crédito, sites falsos e e-mails que roubam dados. “Quando uma pessoa digita seus dados em um e-mail falso de um banco, por exemplo, essas informações valem ouro no mercado negro”, afirma Martins.

Vendas pelo mobile são menos seguras

O Mapa da Fraude fez um levantamento apenas de irregularidades em compras feitas por meio de aparelhos móveis, como smartphones e tablets. O percentual quase dobra.

A média Brasil ficou em 5,5% no ano passado, apenas 0,1 p.p. abaixo do número apresentado em 2015. Alguns estados possuem percentuais alarmantes, como é o Amapá. Segundo a ClearSale, em 19,9% das compras feitas por dispositivos móveis no estado tiveram algum tipo de golpe. Fecham o pódio Tocantins (14,5%) e Amazonas (12,4%), ambos na região Norte.
“O e-commerce ainda está se desenvolvendo nessas regiões, então é normal que o número de fraude seja maior do que as outras”, diz Martins.

Cuidados com e-mails duvidosos e promoções muito atrativas

Comprar na internet não tem muito segredo. Na verdade, a atenção é a principal aliada para evitar fraudes. Desconfie de e-mails de bancos ou lojas pedindo os seus dados. Nenhuma instituição financeira pede esse tipo de informação por esses meios.
Mais: é difícil resistir a uma promoção de iPhone por menos de R$ 1 mil, certo? Muito provavelmente, no entanto, exemplos como esse resultarão em fraude e você perderá esse dinheiro. Antes de confirmar qualquer compra em algum site, pesquise sobre ele em portais como o Ebit e o Reclame Aqui.






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS