Os consumidores brasileiros estão cada vez mais desapegados

No primeiro semestre de 2017, os brasileiros venderam mais de 14 milhões de itens pela OLX. Uma vitória para o consumo consciente, forte valor da companhia

Shutterstock

A sustentabilidade é um dos valores fundamentais do negócio da OLX (hiperlink para a primeira nota). Considerada o maior site de compra e venda do mundo (presente em 45 países), a plataforma não para de crescer no Brasil: no primeiro semestre deste ano, as vendas aumentaram 24,9% em comparação com o mesmo período de 2016. Um trunfo e tanto para a economia compartilhada.

Atuar em tantos mercados, principalmente em um cenário adverso como o brasileiro, demanda, além de estratégia, cultura. Propósito e valores muito bem fundamentados e claros. “Na OLX incentivamos que todos sejam responsáveis pela inovação. Aqui criamos um ambiente onde todos podem testar, errar, aprender e, desta forma, criar soluções inovadoras. Só assim achamos que podemos criar uma empresa sustentável no longo prazo que possa ajudar seus usuários, a sociedade e o planeta”, acredita Janet Baireva, diretora de produto da marca.

Era do compartilhamento

Quando a ideia de economia compartilhada surgiu, o ceticismo invadiu muitas pessoas. O conceito, porém, está cada vez mais consolidado. Aquela ideia de acumular centenas de itens inutilizados no porão de casa parece cada vez mais distante com a facilidade existente hoje para revender um produto.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

Na OLX, os usuários anunciam desde celulares a barcos. Os eletrônicos, aliás, são os campeões de venda. Nos primeiros seis meses de 2017, 4.524.141 produtos foram comercializados nessa categoria (crescimento de 31,8% com relação a 2016). Isso gerou uma movimentação de R$ 933.112.000 em compra e venda pela plataforma (levando em consideração todos os estados nacionais). Outro destaque fica para as categorias “Para a sua casa” e “Moda e beleza”, que tiveram alta de 33% e 47,8%, respectivamente.

Mindset diferenciado

Como uma cultura de inovação, como a nutrida pela OLX, impacta os negócios das empresas? Além de auxiliar o consumidor final, a empresa mantém uma boa posição no mercado e é exemplo quando o assunto é cultura. Em entrevista exclusiva à Consumidor Moderno, Janet Baireva, diretora de produto, e Bernardo Carneiro, chief technology officer da empresa, deram alguns insights sobre sua atuação. Confira:

– Como vocês definem o conceito de inovação?

Janet Baireva e Bernardo Carneiro: Inovação é criar uma solução melhor para um problema de forma não pensada antes.

– Como esse conceito pode impactar os negócios das empresas?

JB e BC: Acreditamos que a única forma de crescer de forma sustentável é por meio da inovação. Em uma empresa como a OLX – que tem ambição de dobrar de tamanho a cada ano – a única forma de fazer isso de forma sustentável é empoderar nossos times para criar soluções que sustentem esse crescimento.

A própria história da OLX é uma prova viva que a inovação permite que uma empresa se torne perene. O mercado de classificados começou em formato físico, no papel e, compreendendo as mudanças no mundo e as necessidades de nossos usuários, o classificado foi para a web, depois para o mobile e hoje cada vez mais as tecnologias de inteligência artificial têm nos ajudado a criar a nova geração destes serviços.

– Quais são os principais desafios para quem precisa inovar no Brasil?

JB e BC: Acreditamos que o ecossistema brasileiro tem melhorado bastante neste sentido. A maior dificuldade de inovar é ter um ambiente aberto que estimule a discussão. Como temos cada vez mais empresas de tecnologia surgindo no país, esse ambiente está se formando e acreditamos que os próximos anos vão ser bem interesses nesse sentido para a OLX.

*Consumidor Moderno em colaboração com a OLX






ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS