A Internet também tem o seu Hall da Fama

Conheça os visionários que ajudaram a criar a internet e assumiram seu lugar no Internet Hall of Fame; tem brasileiro na lista!

O Internet Hall of Fame foi lançado pela Internet Society em 2012. É um programa de reconhecimento e um museu virtual que celebra a história da Internet e os indivíduos que a tornaram possível.

Ele foi lançado pela Internet Society em 2012. A cerimônia deste ano marca o quarto grupo de 14 pessoas a receber a honraria. Eles foram selecionados por um conselho consultivo formado por antigos membros.

A cerimônia ocorreu na Universidade da Califórnia, em Los Angeles, local onde a primeira mensagem foi enviada pelo antecessor da Internet, o ARPANET, há quase 50 anos.

“Em última análise, o sucesso da Internet depende das pessoas nos bastidores”, observou a presidente e CEO da Internet Society, Kathy Brown. “Esses induzidos personificam o espírito pioneiro dos ‘Inovadores’ e dos ‘Conectores Globais’, que têm sido fundamentais para nos trazer essa tecnologia sem precedentes. Eles são alguns dos primeiros evangelistas da Internet e seu trabalho é a base para muitas das inovações digitais que vemos hoje”.

Categorias:
Inovadores

Um dos destaques é a Categoria de Inovadores. Ela reconhece indivíduos que fizeram avanços tecnológicos, comerciais, regulamentares ou políticos notáveis e que ajudaram a expandir o impacto positivo da Internet na vida de outras pessoas. São eles:

Jaap Akkerhuis (Holanda) foi fundamental no desenvolvimento da Internet nos Países Baixos e na Europa desde o início dos anos 80.

Yvonne Marie Andrés (Estados Unidos) foi uma das primeiras pessoas a usar a Internet para desenvolver e promover oportunidades globais de e-learning para educadores e estudantes.

Alan Emtage (Barbados) concebeu e implementou o primeiro motor de busca da Internet do mundo, sendo pioneiro em muitas técnicas utilizadas pelos motores de busca atualmente.

Edward Krol (Estados Unidos) ajudou a desenvolver e a implementar a infraestrutura inicial da Internet através da criação de redes regionais nos EUA e escreveu um dos primeiros guias não técnicos sobre a Internet.

Tracy LaQuey Parker (Estados Unidos) escreveu dois dos primeiros livros mais vendidos sobre a internet: The Internet Companion, em 1992, e The User’s Directory of Computer Networks, em 1988, agora um registro histórico da NSFNET.

Craig Partridge (Estados Unidos) contribuiu amplamente para a evolução técnica inicial da Internet e projetou o caminho seguido por emails usando nomes de domínio.

Conectores Globais

A categoria de Conectores Globais do Internet Hall of Fame reconhece pessoas que contribuíram significativamente para o crescimento, a conectividade e o uso da Internet, seja em escala global ou em uma região específica que resultou em impacto global. O Brasil está nessa lista:

Nabil Bukhalid (Líbano) liderou a equipe da Universidade Americana de Beirute que levou a Internet ao Líbano e estabeleceu o Registro de Domínios do Líbano.

Ira Fuchs (Estados Unidos) co-fundou a BITNET, precursora da Internet que oferecia muitos dos principais serviços da Internet anos antes da comercialização desta.

Shigeki Goto (Japão) foi fundamental na expansão da Internet em toda a Ásia-Pacífico.

Mike Jensen (África do Sul) construiu algumas das primeiras redes para conectar o setor sem fins lucrativos e desempenhou um papel fundamental no estabelecimento de conectividade de rede para países em desenvolvimento.

Ermanno Pietrosemoli (Venezuela) liderou a educação técnica da Internet em dezenas de países da América do Sul e África e foi fundamental na construção da conexão direta da Universidade de los Andes com o backbone da Internet.

Tadao Takahashi (Brasil) foi fundamental para o planejamento e a implantação da Internet no Brasil e fundou e liderou a Rede Nacional de Pesquisa do Brasil.

Florencio Utreras (Chile) liderou a conexão do Chile com a rede BITNET, em 1987, e a rede acadêmica pioneira do Chile.

Jianping Wu (China) liderou o design, desenvolvimento e a evolução do CERNET, o primeiro backbone da Internet na China, ajudando-o a se tornar a maior rede acadêmica nacional.

 

 






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS