Intenção de consumo das famílias brasileiras cresce 6,4% em setembro

Indicadores de consumo melhoraram entre setembro deste ano e o mesmo mês de 2016. Apensas o índice que mede a perspectiva profissional caiu. Entenda

Crédito: Jacques Meir

O humor do brasileiro melhorou e a intenção de consumo das famílias cresceu 6,4% em setembro quando comparado ao mesmo mês do ano passado. As informações são da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).
Em um ano apenas o índice que mede a perspectiva profissional caiu (-3,5%). Os demais componentes como emprego atual (1,6%), renda atual (1,8%), compras a prazo (8,2%), nível de consumo atual (16,7%), momento para duráveis (18%) e perspectiva de consumo (19,5%), cresceram.
A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

Relação mensal

Já a comparação mensal, a intenção de consumo das famílias recuou 0,7% entre agosto e setembro deste ano, impulsionado pela queda de cinco dos sete componentes do indicador: perspectiva de consumo (-0,2%), emprego atual (-0,7%), compra a prazo (-0,8%), renda atual (-1%) e perspectiva profissional (-2,1%).
A pesquisa levantou que o principal temor das famílias é o desemprego. O percentual daqueles que se consideram seguros em relação ao emprego atual caiu de 31,3% em agosto para 30,7% em setembro.
“Com o fim do efeito dos saques das contas inativas do FGTS sobre as vendas, a tendência de crescimento do consumo nos próximos meses dependerá da resposta do mercado de trabalho e da retomada dos investimentos”, justificou Juliana Serapio, assessora econômica da CNC, por nota.






ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS