Trabalho dos sonhos: puffs e mesas de ping-pong não fazem parte dele

Para algumas pessoas – desde um Comandante da Excelentíssima Ordem do Império Britânico até um jovem sulafricano que criou um hub para estudantes -, qualidade de vida no trabalho é algo diferente do que andaram pensando por aí. Entenda

Por: - 2 anos atrás

Shutterstock

No segundo dia da II Conferência Sodexo de Qualidade de Vida, Thomas Jelley, vice-presidente do Instituto de Qualidade de Vida do Grupo Sodexo, fez a mediação de um painel feito em um modelo bastante ousado, no qual se reuniram pessoas envolvidas com projetos de fomento e empreendedorismo que poderiam, durante a conversa, fazer questionamentos umas às outras. A intenção era encontrar soluções para grandes problemas.

Uma delas, Wendy Luhabe, é empreendedora em série e ativista. Seu primeiro comentário gira em torno da palestra de Jane Fonda, que aconteceu no dia anterior: a atriz falou sobre como correspondemos às circunstâncias durante a vida e Wendy conta ter se identificado com isso.

Nascida África do Sul quando o país ainda não era uma democracia, ela fez parte da primeira geração de mulheres formadas em comércio. Depois da faculdade, teve dificuldade para arrumar um emprego, jamais foi promovida e desistiu da carreira na empresa – porque sabia que não evoluiria lá dentro, justamente por ser mulher. Mas Wendy não parou por aí: se não poderia crescer dentro de uma companhia, começaria uma. E foi nesse contexto que se tornou empreendedora.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

Com essa trajetória, hoje Wendy percebe que os jovens sofrem porque não correspondem aos modelos das empresas. Nesse sentido, questiona os outros presentes justamente sobre a importância que têm os projetos de fomento e mentoria, os quais tornam reais a possibilidade de escolher rumos diferentes – longe dos tradicionais.

Takunda Ushe, cofundador e diretor do Circle of Influence Projects Society (CIPS) – uma aceleradora para estudantes de Ensino Médio da África do Sul –, respondeu que, para jovens que estão entrando no mundo corporativo, a mentoria é fundamental – e não deveria ser apenas uma opção para as empresas.

 

Thomas Jelley, da Sodexo; Wendy Luhabe; Sissel Hansen; Takunda Ushe e Sir Cary Cooper

A opinião de Ushe é confirmada por quem está do outro lado – no caso, Sir Cary Cooper, Comandante da Excelentíssima Ordem do Império Britânico, Companheiro da Academia de Ciências Sociais e professor de Psicologia Organizacional e Saúde na Universidade de Manchester. “As pessoas mais velhas tem que sair do trabalho para dar espaço para os outros e dar mentoria, ensinando, abrindo espaço, inspirando”, conta. Ele mesmo, inclusive, passou a dar aulas apenas durante três dias da semana.

O modelo do painel funciona e o diálogo flui: o desafio proposto por Wendy foi respondido, ela afirma. Nesse sentido, conta que ela mesma já tem duas gerações a sua frente e que acredita na inspiração e na mentoria – e fica feliz porque isso se manifesta nos dois parceiros de debate.

Jovens vs. trabalho

De acordo com Ushe, a questão da falta de trabalho é um problema enfrentado pelos jovens da África do Sul. Por isso, acredita na importância do que faz e entende que seu projeto ajuda esses jovens, permitindo que se sintam melhores com suas próprias ideias e planos, que inventem coisas. E isso talvez reflita um perfil geracional, afinal, como afirma Sir Cary Cooper, os jovens de hoje querem flexibilidade, responsabilidades, projetos – não querem pouco trabalho.

A jovem Sissel Hansen, fundadora e CEO da Startup Everywhere e da Startup Guide, na Dinamarca e na Alemanha, respectivamente, é uma prova viva disso. Ela começou seu primeiro negócio aos 17 anos, simplesmente porque não achava que daria certo no caminho acadêmico. Mas o negócio desenvolvido por ela não deu certo – por falta de interesse de um dos stakeholders. Hoje, ela trabalha justamente orientando, dando mentoria e aconselhando pessoas. Não por acaso, lamenta a ausência de pessoas capazes de aconselhá-la – onde estavam os mentores quando seus negócios apresentaram problemas que talvez fossem mais evidentes para indivíduos mais experientes?

O contexto de cada uma dessas pessoas provoca diversas conclusões. Entre elas, a certeza de que mercados e funções foram ou serão repensados. Contudo, como afirma Sir Cary Cooper, ainda existem muitas empresas que negam essa realidade ou, nas palavras dele, “CEOs e CFOs que ignoram os dados e os fatos e continuam acreditando que garantir qualidade de vida é colocar uma mesa de ping-pong dentro da empresa”.