Mais vendas com menos cliques

Nova ferramenta desenvolvida pela Neobpo usa a inteligência artificial para oferecer anúncios personalizados. Conheça a tecnologia

Por: - 2 anos atrás

Shutterstock

O investimento em publicidade movimenta cifras bastante vultosas. Bilionárias, para ser mais exato. Só no ano passado, os gastos em mídia no Google chegaram a US$ 79,4 bilhões, o que corresponde a cerca de 15% dos gastos do setor em todo mundo. Logo, para realmente valer a pena dispender dessa dinheirama, o investidor quer resultado. Leia-se: aumento em vendas. E mesmo com as métricas confiáveis que sites como Facebook e Google fornecem, é possível otimizar recursos. E esse é o objetivo do Oferta Certa, ferramenta que a Neobpo traz com exclusividade para o mercado brasileiro.

A solução é dividida em três módulos, sempre de acordo com as necessidades do cliente. O primeiro gerencia lances de alta frequência, permitindo alterar e lançar novos anúncios até sete vezes por hora, ou seja, 168 vezes por dia. “A ferramenta analisa o perfil de busca do consumidor para sugerir a melhor oferta no momento mais adequado”, explica Marco Lupi, presidente da Neobpo. Essa otimização faz com que o custo por clique ao longo do dia seja o menor possível.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

O segundo módulo faz a personalização das ofertas – aquele detalhe que falta para conectar o consumidor ao produto. “Na semana passada pesquisei passagens para o Ano Novo no Chile, mas não completei a compra. Depois, entrei em um site de notícias, que me apresentou anúncios de passagens aéreas, mas para Teresina”, diz Roberto Ribeiro, diretor de marketing da Neobpo. Esse é o tipo de problema que o Oferta Certa, baseado em inteligência artificial, em informações da Neobpo e na análise dos cookies e do histórico de navegação do usuário, conseguiria resolver. Afinal, a ferramenta cruza dados aparentemente desconexos e aproveita essas informações para oferecer anúncios ainda mais relevantes, através de um algoritmo preditivo.

Por fim, o último módulo se baseia em uma solução de chat, que permite que uma janela seja aberta no momento certo para perguntar se o cliente tem mais alguma dúvida, aumentando o potencial de fechar a venda. Outra vantagem do sistema é a possibilidade de adequá-lo à estratégia de indicadores-chave (KPIs) da empresa. Para uma montadora, por exemplo, que não costuma vender pela internet, é mais relevante que o usuário dê um clique e visualize a oferta. Já no varejo, o foco já é a concretização da venda online.

Segundo a Neobpo, a nova solução permite otimizar as campanhas digitais para obter o mesmo número de cliques com gastos menores, ou optar por manter o padrão de gastos e conseguir mais cliques. Tudo ao gosto do cliente. E não é preciso um grande esforço por parte do gerente de mídia para implantar o sistema. Ao contrário. São necessários três dias para que tudo esteja funcionando. Os resultados, segundo a empresa, aparecem em até seis semanas.

A customização dos anúncios ocorre a partir de um banco de ofertas pré-cadastrado. O sistema só não constrói o layout, tarefa que continua sob a responsabilidade da agência de comunicação. Os parâmetros podem ser regiões geográficas, sexo, idade, entre outros. Tudo é pré-definido. O que o sistema faz é juntar esses combos e criar uma oferta única. A otimização de lances funciona apenas nos sites de busca, mas a oferta personalizada pode ser entregue onde e no formato que o cliente desejar.

A confiança é a chave do negócio

A Neobpo opera com o modelo de try & buy (“teste e compre”), na qual garante ao cliente que, em um período de até seis semanas, ele terá 10% de otimização em suas campanhas por meio do módulo de lances automáticos. Unido ao módulo de ofertas personalizadas, esse índice sobe para índices que variam de 18% a 23%. Se o chat também for adotado, a otimização chega a 30%. “Nosso diferencial é que não oferecemos apenas soluções, mas também nos preocupamos com a jornada do cliente”, diz Marco Lupi.

Fora do Brasil, a solução já é utilizada por grandes empresas, entre elas uma companhia de telecomunicações australiana, uma empresa aérea americana, uma montadora japonesa e uma das maiores fabricantes de bebidas do mundo. Logo, é questão de tempo para as empresas brasileiras perceberem as possibilidades que esse tipo de ferramenta pode trazer.