Variação de preços em eletroeletrônicos chega a 80% em São Paulo

Além da pesquisa de preços de eletroeletrônicos em diferentes magazines, é importante observar etiqueta de gasto energético para evitar gastos extras

A Fundação Procon realizou pesquisa em sete magazines de eletrodomésticos e eletrônicos em São Paulo e encontrou diferenças de preços que chegam a 79,14% em um mesmo item. Foram pesquisados 117 produtos comercializados em pelo menos três dos estabelecimentos visitados.
A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!
O Extra Hipermercados, no bairro Cerqueira César, é apontado como a loja mais barata, com 73% dos itens com preço menor ou igual ao praticado na média. O Magazine Luiza, da Vila Guilherme, na zona norte, é a loja apontada como a mais cara entre as pesquisadas, com 24% dos eletroeletrônicos vendidos a preço menor ou igual à média do mercado.

O barato que sai caro

A Fundação Procon alerta, porém, que o preço de prateleira não é suficiente para apontar o produto de menor custo total. É preciso verificar a classificação dos aparelhos em relação ao consumo de energia. Um produto barato na prateleira pode significar um custo alto no longo prazo a depender da quantidade de energia que consome.
Os produtos que consomem menos energia são classificados com a letra A e os que gastam mais recebem a letra E. A medição é feita pelo programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE) e está especificada em cada item.






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS