Vendas do varejo paulista devem crescer 8,5% em novembro, mês da Black Friday

Projeção da FecomercioSP para novembro de 2017 demostra crescimento nas vendas em São Paulo impulsionado pelas promoções da Black Friday

As vendas no varejo paulista devem crescer 8,5% em novembro de 2017 se comparadas ao mesmo mês de 2016. O faturamento deve chegar a R$ 55,2 bilhões em São Paulo no mês em que é realizada a Black Friday, período em que os varejistas têm dados descontos antes do Natal.
A projeção foi feita pela FecomercioSP, Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo. De acordo com a Federação, o faturamento do varejo nos setores de autopeças e acessórios e de eletrodomésticos e lojas de departamentos devem alcançar 19,9% e 14,5%, respectivamente, maior do que a média para todo varejo no mês.
Já o setor das lojas de móveis e decoração, outro com alta acima da média, deve crescer 13,5% no período.

Black Friday

Para a FecomercioSP, a Black Friday deve “consolidar o processo de reversão do pior ciclo recessivo vivido pelo comércio, iniciado em 2014 e que perdurou até 2016”.
Em nota, a Federação considera que a elevação da confiança do consumidor para comprar se deve a fatores como a queda na inflação, redução dos juros e elevação do poder de compra dos salários, injeção dos recursos do FGTS, e, principalmente, a recuperação do mercado de trabalho, que, para a entidade foi essencial para a restauração da confiança.
Os varejistas também aproveitam esse período para estender as promoções. Nesta segunda e-commerces realizam o Cyber Monday, com descontos em eletroeletrônicos, tais como computadores, celulares e games. Ofertas dos varejistas também tem colocado outros itens em promoção, como livros e até itens de perfumaria.
 

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS