Intenção de consumo cresce em novembro e tem maior resultado desde maio de 2015

Índice medido pela FecomercioSP, que avalia a intenção de consumo das famílias paulistanas, tem alta de 11,7% em relação a novembro de 2016

A intenção de consumo das famílias na cidade de São Paulo cresceu em novembro, alcançando o maior nível desde maio de 2015. Os dados são do ICF, índice de Intenção de Consumo das Famílias, medido pela FecomercioSP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo).
A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!
Em relação ao novembro de 2016, a alta foi de 11,7%, com os 82,6 pontos registrados. A escala vai de zero a 200 pontos, sendo que abaixo de 100 pontos significa insatisfação e acima de 100, satisfação em relação às condições de consumo segundo a Federação.
Em um ano, aumentou de 20% para 28% os entrevistados que afirmaram que o consumo de suas famílias e da população em geral tende a aumentar em relação ao ano passado.

Perspectiva de consumo

O ICF avalia sete aspectos do consumo, e seis deles tiveram alta em novembro. Um deles é o Nível de consumo atual, que aumentou 25,8% em um ano. Já a proporção de entrevistados que dizem estar consumindo menos do que há um ano caiu de 65%, em 2016, para 58%.

Renda

Já a comparação da intenção de consumo em relação à faixa renda das famílias também aumentou. O índice para as famílias com renda abaixo de dez salários mínimos cresceu 2,3%, na comparação mensal, e 9,3%, na anual, chegando aos 80,3 pontos.
O índice de Intenção de consumo das famílias com renda superior a essa faixa, porém, passou de 85,5 pontos em outubro para 89,2 pontos nesta última tomada, alta mensal de 4,3% e anual de 18,7%.
Para fazer o índice, são coletadas informações junto a cerca de 2.200 consumidores no município de São Paulo.






ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS