Endividamento das famílias sobe em janeiro

Pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo aponta alta no endividamento familiar na comparação com janeiro de 2017

O número de famílias endividadas subiu 1,1% em janeiro na comparação com o mesmo mês de 2017. O total de famílias com alguma pendência chegou a 61,3% neste mês. Os números são da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), apurada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

Se o número de famílias endividadas cresceu em relação ao ano passado, houve uma melhora na perspectiva de pagamento das contas. Neste mês, 9,5% das famílias declararam não ter condições de pagar suas contas e dívidas em atraso, resultado melhor que os 10,2% registrados em janeiro de 2017.

A proporção das famílias que se declararam muito endividadas somou 13,6% e representa queda de 0,8% em relação ao mesmo mês do ano passado. Porém, os números apontam que essas dívidas não foram extintas, mas amortizadas, já que o número de famílias que dizem estar pouco endividadas cresceu 1,3% no período, chegando a 24,4% do total.

Prazos e motivos do endividamento 

O tempo médio de atraso para o pagamento de dívidas foi de 65 dias em janeiro de 2018, inferior aos 65,6 dias de janeiro de 2017. Em média, o comprometimento com as dívidas foi de sete meses. Porém, 32,2% das famílias têm dívidas em atraso por mais de um ano.

Entre aquelas endividadas, 22,2% afirmam ter mais da metade da sua renda mensal comprometida com o pagamento de dívidas.

Para 77,4% das famílias endividadas, o cartão de crédito permanece como a principal forma de endividamento, seguido dos carnês (16,9%) e do financiamento de carro (11%).

Leia também:

Em SP, 48,5% das famílias estão endividadas

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS