Inadimplência entre jovens cai, mas ainda atinge quase 5 milhões

População jovem não escapa da inadimplência, segundo dados do SPC Brasil e CNDL. Confira onde estão esses jovens e quais dívidas eles têm

O número de jovens brasileiros inadimplentes, entre 18 e 24 anos, caiu 22% em janeiro deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado. Os dados são do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). As entidades afirmam, porém, que 4,8 milhões de pessoas ainda se encontram na inadimplência, representando 20,14% de jovens dessa faixa etária.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

Para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, a retração dos indicadores de inadimplência dessa faixa de jovens se explica pela menor presença desses brasileiros nos níveis de ocupação do país. “Fora do mercado de trabalho pelas mais diversas razões, seja estudo, desemprego ou por opção, muitos desses brasileiros acabam ficando também fora do mercado de crédito, reduzindo o contingente de potenciais inadimplentes”, explica a especialista.

De acordo com o IBGE, o nível de ocupação da população com idade entre 18 e 24 anos caiu de 57,9%, no primeiro trimestre de 2012, para 51,2%, no terceiro trimestre de 2017.

Inadimplência dos jovens por região

A maior proporção de consumidores jovens com contas em atraso está no Centro-Oeste. Do total de devedores da região, 7,8% têm idade entre 18 e 24 anos. Em seguida aparecem as regiões Sul (7,6%), Norte (7,4%), Nordeste (5,7%) e o Sudeste (5,0%).

A maioria das dívidas se concentra nos bancos: 44,8% das pendências dos jovens entre 18 e 24 anos têm como credor as instituições financeiras. Em seguida, aparecem o comércio (29,9%), o setor de comunicações (14,7%); e as empresas de abastecimento de água e luz (1,8%).

Leia também:
Varejistas têm melhor percepção de estoque desde julho de 2015

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS