Consumo das famílias registra melhora significativa em fevereiro

Relatório mensal da FecomercioSP revela que consumo das famílias está aumentando. Confira os números divulgados pela entidade

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) divulgou nesta segunda-feira que o consumo das famílias aumentou 21,5% em fevereiro, na comparação com o mesmo mês do ano passado. A pesquisa endossa o mesmo panorama positivo apresentado pela Confederação Nacional do Comércio, que também revelou alta no indicador.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

Tendo como base o resultado de janeiro, o Índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) de fevereiro teve seu maior avanço mensal, desde dezembro de 2012. A alta em relação ao mês anterior foi de 5,5%.

No comparativo anual, o quesito Renda Atual apresentou melhora de 23,7% em fevereiro. Os outros dois itens que atingiram patamares satisfatórios são os relacionados a mercado de trabalho. Do total de entrevistados, 55% projetam um cenário de mais oportunidades para nos próximos seis meses.

De acordo com a assessoria econômica da entidade, o crescimento da renda e e das perspectivas de emprego são cruciais para que haja disponibilidade de aumento do consumo.

Consumo das famílias por faixa de renda

Em relação às faixas de renda, a FecomercioSP destaca que ambas registraram crescimento mensal nos seus índices. A maior evolução foi das famílias com renda superior a dez salários mínimos, com  7,1% de variação positiva.

O ICF das famílias com renda abaixo dos dez salários mínimos continua subindo, mas ainda se posiciona no patamar de insatisfação, registrando em fevereiro crescimento mensal de 4,9%. Para esse grupo, há um grau mais elevado de satisfação em relação ao emprego e à renda, mas, por enquanto, o consumo ainda se recupera de forma menos acentuada.

Diante dos resultados, a FecomercioSP destaca que essa sequência positiva do ICF indica que o setor deve ter ritmo de vendas mais elevado neste ano, uma vez que a intenção de consumo aumentou quase 22% em um ano. Ainda segundo a entidade, a inflação e os juros em queda favorecem a ampliação do consumo, em conjunto com a leve melhora do mercado de trabalho.

Leia também:
É o fim do ‘parcelado sem juros’? Entenda






ACESSE A EDIÇÃO DESTE MÊS:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 261: O respeito ao cliente é o caminho para 2021

Anuário: A omnicanalidade em todo lugar

CM 260: Conarec 2020 e sua imersão em experiência em um mundo antinormal

VEJA MAIS