Mulheres avançam dos dois lados do balcão e se destacam no trabalho e consumo

Dados da FecomercioSP mostram aumento da participação das mulheres nos negócios. Confiança delas como consumidoras também é destaque

A participação das mulheres no mercado formal cresceu em três setores do Estado de São Paulo. Foram registrados aumentos nas áreas de serviços, comércio varejista e atacadista. O período analisado pela FecomercioSP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo) compreende o período entre 2007 e 2016.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

De acordo com o levantamento, a parcela de mulheres com carteira assinada no varejo subiu de 43,5% para 48,2%. Já no cenário atacadista, em 2007, as paulistas representavam 31% dos profissionais da área. Em 2016, a participação cresceu e alcançou 35,5% na área.

No setor de serviços, as paulistas viram a proporção crescer ainda mais. Elas já eram maioria há uma década, com 50,1% das carteiras assinadas. Em 2016 o indicador avançou e a proporção de homens ocupando as vagas formais da atividade diminuiu de 49,9% para 46,6%.

Mulheres admiráveis que você precisa conhecer

Crescimento na hierarquia

Nos cargos de liderança, as mulheres ainda não atingiram maioria em nenhuma das áreas analisadas, mas houve avanço. Novamente, o setor de serviços apresenta maior participação feminina se comparado aos outros. Desta vez, nas vagas de direção, gerência e supervisão.

As empresas prestadoras de serviços tiveram 49,1% dos postos mais altos na hierarquia ocupados por mulheres em 2016. A estatística teve aumento de 3,1% se comparado aos 46% registrados em 2007. O levantamento ainda aponta que 45,6% das lideranças no varejo paulista foram exercidas por mulheres em 2016. A proporção era de 40,1% há pouco mais de uma década.

O destaque de crescimento nesta estatística fica com o atacado. Em 2007, 29,8% dos cargos de chefia nas empresas do setor foram ocupados por elas. Já em 2016, o indicador chegou a 37,1%, o que representa um aumento de 7,3 pontos percentuais.

Mulher estuda e trabalha mais do que o homem, mas salário continua desigual

Consumidoras mais confiantes

Além de ocuparem mais cargos com carteira assinada no comércio de São Paulo, as paulistas também estão mais otimistas. O índice de confiança das consumidoras atingiu o maior número desde março de 2014. No último mês de fevereiro, o indicador chegou a 119,4 pontos, o que representa alta de 5,6 em relação a janeiro deste ano. Já o ICC dos homens foi de 121,7 pontos no mês passado.

A pesquisa divulgada pela FecomercioSP foi feita com base nos dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), que são fornecidas pelo Ministério do Trabalho.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS