Marketplaces têm quase 20% do faturamento do e-commerce no Brasil

No ano passado, houve participação expressiva dos marketplaces no comércio eletrônico brasileiro, de acordo com pesquisa divulgada pelo Ebit

Os marketplaces, plataformas online que ajudam grandes varejistas a rentabilizar por meio de lojas parceiras, representou 18,5% do faturamento do e-commerce em 2017. De acordo com o relatório “Webshoppers” divulgado na noite desta quinta-feira pela Ebit, são R$ 8,8 bilhões vindos dos marketplaces, do total de R$ 47,7 bilhões que o comércio eletrônico brasileiro arrecadou. É a primeira vez que o relatório contabiliza o modelo de venda por ser uma área nova adotada pelo varejo.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

“Do ponto de vista das grandes lojas, o marketplace trouxe várias vantagens como diversificação de produtos, aumento de receita com melhoria de margens de lucro, além do crescimento de vendas em mercados de nicho”, diz o relatório da Ebit.

Experiência

A relação dos consumidores com os marketplaces também foi abordada na pesquisa.   Quando os entrevistados foram perguntados sobre o termo “marketplace”,  57% disseram que não sabiam responder o que significava. “O modelo de ainda é pouco reconhecido pelos consumidores, que na maioria dos casos, percebem apenas que a compra foi realizada em uma loja parceira quando recebem os produtos em casa”, relata a pesquisa.

Leia também:
Vendas mobile dominam varejo eletrônico no mundo

Mas quem conhece o marketplace e teve a experiência aprovou, de acordo com a Ebit. O estudo diz que 58% dos usuários são assíduos. Isso significa que os internautas realizaram pelo menos quatro compras em marketplaces 2017. Dos usuários que navegaram pelas plataformas,  89% consideraram a experiência boa ou ótima.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS