O futuro da Inteligência Artificial (e o nosso), segundo Ray Kurzweil

O futurista e dono de uma das mentes mais brilhantes do mundo fala no SXSW sobre o que podemos esperar da Inteligência Artificial

Por: - 9 meses atrás

Ray Kurzweil é diretor de engenharia do Google e um dos mais representativos pensadores, futuristas e inventores da nossa era. Ele conversou com Jessica Cohen, editora-chefe da Mashable, sobre a rápida expansão da Inteligência Artificial, suas implicações e possibilidades. O painel “The power of ideas to transform the world is accelerating” abordou previsões de Kurzweil, como a que aponta que as IAs, em 2029, passarão pelo teste de Turing – o que significa que irão ultrapassar a inteligência humana em todas as áreas. Trata-se de uma curva exponencial de evolução, na qual essencialmente utilizaremos IA para intensificar a inteligência humana da mesma maneira que uma lente pode intensificar a luz solar.

“Os testes sobre a evolução da IA são válidos”, afirma. Os avanços tecnológicos caminham incrivelmente bem, na opinião dele. “As pessoas me chamam de tolo por conta de meu otimismo. Temos mais informação sobre o que está errado no mundo. E apesar de prestarmos atenção às notícias ruins, tenho mais motivos para acreditar que o mundo caminha bem”.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

Ray Kurzweil diz que novas tecnologias trazem riscos inerentes ao seu desenvolvimento, mas seus benefícios são melhores. Ele fala de nanotecnologia, IA, robótica, biotecnologia. “Em que momento da história veríamos um jovem da África receber dinheiro pelo celular?”, destaca o futurista.

Para Ray, é evidente que as novas tecnologias trazem muito impacto para nossas vidas, mas elas estão enquadradas nos limites da regulação. Mesmo questões envolvendo IAs, ainda treinadas por humanos com seus vieses e preconceitos, levantam receios justos com relação à atuação delas na sociedade.

Há possibilidade de contornarmos nossos preconceitos quando desenvolvemos IAs, tornando-as neutras e isentas? Para o futurista, esse é um processos complicado e difícil. “Não vejo como filtrar ideias. No Google, os resultados de busca não se alinham automaticamente ao que o usuário pensa, mas ao que ele procura. Por isso, o Google traz resultados com os quais o usuário pode concordar ou não”.

Será que as IAs poderiam ser utilizadas de forma positiva com objetivos militares? As IAs trabalharão, na opinião dele, no fortalecimento da democracia. As tecnologias de comunicação permitiram uma evolução sem precedentes da história humana. E hoje o mundo deve agradecer muito a ela.

Ainda primatas

Os primeiros primatas criaram novos comportamentos, a partir de uma atividade diferente no córtex cerebral. Uma violenta mudança no clima do planeta causou um evento cataclísmico que gerou a ascensão do homo sapiens. Um acidente natural pode ter sido o responsável pela dominância do ser humano no planeta. O desenvolvimento do córtex cerebral do Homo sapiens nos dotou de linguagem, de consciência, arte, música.

Projetando esse legado para o futuro, Ray prevê que nos anos 2030, teremos modelos de córtex que serão trabalhados biologicamente por nanobôs, e então iremos criar novas formas de nos comunicar e de nos relacionar. A tecnologia vai superar as nossas limitações físicas e expandir nossas consciências. Para Ray, as IAs serão um fato de aprimoramento humano e não de derrocada.

“IAs podem fazer muitas coisas associadas à inteligência, como disputar jogos combinatórios, xadrez e agora podem desenvolver formas de compreensão de contextos e responder questões complexas em nível próximo, ou levemente superior a um ser humano”, afirma Ray. Quando uma IA atinge o nível humano diante de uma tarefa ou atividade, sua evolução fica dramaticamente acelerada. Há características que podem ser transmitidas dos seres humanos para as Inteligências Artificiais, mas elas não contemplam emoções, mas sim interpretações. É importante ressaltar que a consciência humana está à frente de um complexo edifício moral e precisamos saber até que ponto as IAs vão compreender o alcance e sentido da moral.

Transformações

“Indústrias não morrem, mas se transformam. Nesse sentido, veremos transformações sensíveis nas indústrias de automóveis, transportes e mobilidade humana, mas nada será mais disruptiva do que Realidade Virtual e Realidade Aumentada que causarão mudanças sensíveis na forma com que nos relacionamos. Essas tecnologias permitirão que estejamos conectados com as sensações presenciais mesmo à distância”. E no campo da saúde, as IAs ajudarão a estabelecer novas terapias contra o câncer com espetacular eficiência em um prazo de anos.

Ray Kurzweil é um otimista. Olhando para os problemas de nosso mundo, é bom que haja alguém capaz de olhar para nosso futuro de modo promissor.