Varejista de brinquedos Toys ‘R’ Us fechará todas as lojas nos EUA

A icônica companhia, líder do varejo de brinquedos e sucesso de vendas nos Estados Unidos, entrou em estado de falência no final do ano passado e começa a ruir definitivamente

Tradicional loja de brinquedos dos Estados Unidos e ícone do segmento nos anos 1980, a Toys ‘R’ Us vai fechar suas 735 lojas nos Estados Unidos. A marca, pioneira e grande propulsora da atividade em todo o mundo, pediu falência em setembro do ano passado e, agora, anuncia o fim de suas operações em um comunicado divulgado nesta quinta-feira.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

“Estou muito decepcionado com o resultado, mas não temos mais apoio financeiro para continuar com as operações da companhia nos Estados Unidos”, declarou o presidente da Toys ‘R ‘Us, David Brandon, em nota divulgada à imprensa.

Com o anúncio, a Toys ‘R’ Us deve deixar desempregados cerca de 33.000 funcionários espalhados por vários estados do país, inclusive, em sua sede na cidade de Wayne, em Nova Jersey. A Toys’R’Us recorreu à legislação americana sobre falências, processo muito parecido com recuperação judicial prevista nas leis do Brasil.

Motivos

A Toys ‘R’ Us era a maior varejista de brinquedos dos Estados Unidos. Nos anos 1990, reinava absoluta. Mas, durante os anos 2000, com a expansão de redes de supermercado como o Walmart, que passou a ter no seu portfólio grande variedade de brinquedos, e com a ascensão fulminante do e-commerce, a empresa entrou em depressão contínua.

Em 2005, para tentar achar uma saída plausível, a empresa se afundou em dívidas. Foi adquirida por três fundos de private equity. Mas com a queda constante nas vendas e na receita, a conta não fechou e a falência foi invevitável.

Mercado no exterior

A companhia também pediu falência no Reino Unido e anunciou que vai liquidar suas operações no país. O grupo estuda outra estratégia para suas atividades em outros países. No Canadá, na Ásia, na Alemanha, na Áustria e na Suíça, a Toys ‘R’ US deve vender suas lojas para outros grupos.  “O grupo e seus conselheiros vão se esforçar para minimizar o impacto da liquidação nos mercados canadenses e no exterior”, afirmou Brandon, no comunicado.

Leia também:
Walmart anuncia nova abordagem de ofertas a clientes no Facebook

 






ACESSE A EDIÇÃO DESTE MÊS:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS