HP reimprime a história de escritoras renomadas

Para fomentar o debate de igualdade, a empresa americana decidiu criar novas capas para obras de autoras mulheres, mas que precisaram optar por pseudônimos masculinos para publicar os seus livros

Shutterstock

O autor britânico George Eliot foi um dos mais aclamados escritores do país durante o século XIX. A sua obra Middlemarch: um estudo da vida provinciana” é visto como um romance com mais destaques naquela época. Eliot era grande. A grande questão é que ele não era ele. Esse foi o caminho escolhido pela escritora Mary Ann Evans para ser levada a sério na literatura. E ela não foi a única.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

A HP decidiu homenagear essas mulheres que tiveram de passar por homens. Uma forma de reimprimir a história. A empresa recriou algumas capas icônicas de pseudônimos. Mais do que isso, decidiu deixar os novos desenhos disponíveis para quem queira imprimir a versão verdadeiramente original. Aação foi criada pela agência Almap.

Assim como Mary Ann, diversas autoras seguiram o mesmo caminho e publicar as suas obras. Raoul de Navery era, na verdade, Eugénie-Caroline Saffray. O mesmo aconteceu com George Sand. O seu nome verdadeiro era Amandine Dupin. Jane Austen foi outra que sofreu com o machismo: mas utilizava o nome “Uma senhora”.

Obras estão disponíveis

Além das novas capas, a HP disponibilizou no site as obras na íntegra de algumas dessas mulheres. Basta o leitor entrar no site e imprimir os livros que mais o interessar. E se trata até de um incentivo para autoras mulheres. Ainda mais no Brasil.

De acordo com um estudo feito pela Universidade de Brasília (UnB), mais de 70% dos livros publicados por aqui entre 1965 e 2014 foram escritos por homens. E não é porque existem mais leitores homens. Muito pelo contrário. Segundo dados do Instituto Pró-Livro, 57% dos leitores no Brasil são mulheres.

Ou seja, somos um país mais de leitoras do que leitores.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS