Empresas Legais 2018: conheça os destaques do reconhecimento

Iniciativa promovida pelo Grupo Padrão reconhece as companhias que se dedicaram com mais afinco à resolução de conflitos. Conheça

Em um dos momentos mais esperados do Simpósio Brasileiro de Defesa do Consumidor – uma iniciativa de A Era do Diálogo –, que acontece na cidade de Campinas, no interior de São Paulo, 21 empresas subiram ao palco para receber o título de Empresas Legais 2018.

A iniciativa faz parte de um levantamento produzido pelo Centro de Inteligência Padrão (CIP) com o com o apoio da Associação Brasileira das Relações Empresa-Cliente (Abrarec) e que identifica as empresas que estão menos propensas ao litígio e mais empenhadas ao diálogo e em cultivar bons relacionamentos com os consumidores.

“O efeito da transparência no diálogo com o consumidor nos negócios e nas relações de consumo é tão poderoso e benéfico que deve estar no topo da agenda corporativa de qualquer liderança realmente comprometida com a perenidade de sua empresa”, disse Roberto Meir, CEO do Grupo Padrão.

Confira, a seguir, as Empresas Legais 2018:
  • Banco do Brasil
  • BMG
  • Bradesco
  • Bradesco Seguros
  • Brasilprev Seguros e Previdência
  • Claro
  • Electrolux
  • Embratel
  • Fast Shop
  • Itaú Unibanco
  • JCS Brasil Eletrodomésticos
  • Magazine Luiza
  • NET
  • Netshoes
  • Positivo Tecnologia
  • Renault do Brasil
  • Ricardo Eletro
  • Santander
  • Telefônica?Vivo
  • Virginia Surety
  • Whirlpool
Como foi feito o estudo?

Produzido a partir de um minucioso levantamento em diferentes empresas de vários segmentos, o estudo parte de 17 indicadores, entre eles: participação ativa e conjunta com o sistema de justiça para a solução de conflitos, variação no número de acordos realizados pela empresa e variação do número de demandas registradas nos Procons.

Destaques

O levantamento trouxe um certo alento no que diz respeito à defesa do consumidor. Primeiro, a quantidade de empresas: foram 21 companhias que estão trilhando o caminho da pacificação da relação de consumo. Além disso, foi possível identificar que:

  • 95% das Empresas Legais possuem núcleos de mediação de conflitos em sua estrutura (percentual 44% maior do que a média da amostra geral);
  • 9 em cada 10 Empresas Legais adotam algum mecanismo alternativo para solucionar conflitos • 90% das Empresas Legais participam do Consumidor.gov.br, a plataforma de mediação de conflitos entre empresas e consumidores;
  • A resolutividade das empresas na plataforma do governo é de 79%. Embora a participação tenha sido 10% menor do que em 2016, o índice de solução cresceu 4%;
  • As Empresas Legais reduziram em 15% o número de demandas registradas no Procon entre 2016 e 2017.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS