Mobly e a loja de 150 mil produtos

ESPECIAL NOVAREJO RV E RA conta como que a Mobly usa realidade aumentada para replicar a experiência da loja física no mundo digital. O big data garante que o cliente não se perca no meio de 150 mil produtos

A startup brasileira Decora se destacou na difícil tarefa de digitalização de produtos. A empresa foi responsável por criar as versões digitais dos produtos da Mobly, varejista on-line de móveis. Em março deste ano, a Decora foi vendida por 100 milhões de dólares à americana CriativeDrive.

A startup registrou crescimento de 1.000% em volume de produção de ativos ao longo de 2017 e atingiu a marca de 15 mil imagens digitalizadas para abastecer os sistemas de realidades aumentada e virtual da Mobly e de outros e-commerces.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

A Mobly recorreu à realidade aumentada para dar vida longa ao seu app de vendas. João Paulo Baccarin, gerente de Marketing da empresa, diz que antes da implementação da realidade aumentada no app era difícil convencer o consumidor a baixá-lo ou mantê-lo por muito tempo. “A pessoa mantém o aplicativo quando ela enxerga valor naquilo e quando recebe um serviço melhor”, avalia.

Caos organizado

Baccarin garante que o banco de dados da Mobly consegue apresentar mais do que produtos em realidade aumentada para o consumidor, mas também integra essa tecnologia ao banco de dados que a empresa possui, o que se mostra essencial para um comércio eletrônico que conta com 150 mil produtos em seu acervo, quase quatro vezes mais que o número SKUs em um hipermercado. Sem big data, a experiência da realidade aumentada torna-se um passeio digital por um mundo caótico.

ESPECIAL REALIDADES VIRTUAL E AUMENTADA: Por que o Pontofrio escondeu os produtos em sua nova loja?

Ele afirma que o papel do app está ainda muito mais relacionado à publicidade da marca e de seus produtos que à compra de fato. “É muito comum as pessoas navegarem no mobile por muitos dias ou horas e finalizar a compra no desktop. A ideia é virar a mesa. Deixar a experiência mobile tão boa que o consumidor também se sinta confortável para comprar por app”, planeja. A rede espera que as vendas via aplicativo alcancem 30% do total até o fim deste ano.

Aplicativo da Mobly de realidade aumentada permite que cliente do e-commerce ambiente os produtos antes de comprá-lo (crédito: Douglas Luccena)

Barreiras

O coordenador do MBA em Varejo e Mercado de Consumo da USP, Marcos Luppe, aponta que iniciativas como da Via Varejo e da Mobly estão ainda deslocadas da realidade do varejo nacional. “São iniciativas ainda para testar o que vai funcionar e o que não”, opina.

Por que as compras por celular param no carrinho?

Para ele, as soluções em realidade virtual e realidade aumentada pelo mundo estão efervescendo, mas encontram entraves importantes no Brasil relacionados ao atraso tecnológico. “Um limitador para a tecnologia de realidades aumentada e virtual é a capacidade dos celulares dos consumidores”, avalia.

Leia também:

Mau uso do big data gera perdas de US$ 2,5 trilhões para o varejo mundial






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS