Setor de franquias cresce e fatura R$ 36,8 bilhões no 1º tri

A movimentação das franquias no Brasil segue acelerada com o incentivo do empreendedorismo no país. Confira os resultados divulgados pela ABF

A Associação Brasileira de Franchising (ABF) divulgou nesta quinta-feira o balanço do primeiro trimestre do setor de franquias em 2018. Os resultados, segundo o órgão, foram satisfatórios. Houve crescimento de 5,1%, passando de R$ 36,8 bilhões do 1º trimestre de 2017 para R$ 38,7 bilhões no mesmo período de 2018.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

“Frente ao atual cenário da economia brasileira, consideramos este desempenho positivo, pois foi registrado em um período de inflação muito baixa – ao contrário do primeiro trimestre de 2017 – e de início da recuperação de uma das mais longas crises que o País já viveu”, afirma Altino Cristofoletti Junior, presidente da ABF. O número de unidades de franquias no Brasil teve queda de 1,2%, segundo o órgão.

“A gente já vem tendo um movimento muito próximo do ano passado. A leve diminuição nas unidades é reflexo dos procedimentos das redes em adaptar os seus negócios à realidade econômica. Isso é o curso normal do franchising e o que realmente importa é a variação positiva”, disse Cristofoletti, em entrevista coletiva.

Leia também:
4 estados brasileiros para investir em franquias

Segmentos das franquias

Entre os segmentos que apresentaram maior variação de crescimento nos meses de janeiro a março deste ano, Hotelaria e Turismo teve o maior faturamento, 14,9%, na comparação com o mesmo trimestre de 2017. O resultado expressivo demonstra a recuperação do segmento que nos primeiros três meses do ano passado já havia registrado um crescimento de 31%.

O aumento da receita proveniente do turismo internacional, a expansão de 4,9% em número de unidades e o desenvolvimento do e-commerce contribuíram para este desempenho, segundo a ABF.

O segundo melhor desempenho ficou com o segmento de serviços e outros negócios, que cresceu 9,3% no mesmo período. Este resultado foi impulsionado, especialmente, pelas franquias ligadas à área de logística, que registrou um aumento do volume de cargas transportadas no período.

Entretenimento e Lazer alcançou o terceiro melhor desempenho, com variação positiva de 7,8% no período pesquisado. O segmento acelerou a abertura de novas unidades (4,6%) e contou com a diminuição do endividamento das famílias e o bom resultado do ramo de brinquedos e games, auxiliado pela baixa inflação.

Participação em outros canais

Depois de um ano de estabilidade, o crescimento de pontos de venda, modelos de operação e canais de venda não tradicionais (ou seja, além de lojas de rua e shoppings) se mostrou mais presente.

Por exemplo, em relação à localização das unidades, a participação da modalidade Outros (que abrange condomínios residenciais e comerciais, universidades e clubes) no total de unidades chegou a 5% em 2018, contra 3% em 2017, enquanto a participação das lojas de rua e shopping apresentou queda (de 66% para 65% e de 23% para 21%, respectivamente).

“Esse movimento de maior flexibilidade de canais vem se fortalecendo e tende a ganhar mais tração nos próximos anos. Isso mostra que o franchising não representa apenas um canal de vendas, mas uma plataforma completa de gestão de negócios colaborativa, que pode ser desenvolvida por meio de diferentes canais, inclusive os digitais”, disse o presidente da ABF.

Projeção para 2018

Segundo a ABF, todos os indicadores devem crescer no setor de franquias.  O faturamento está previsto para ficar entre 7% e 8% de aumento. O número de redes franqueadoras deve expandir para 2800. Suas unidades também devem crescer, em torno de 3%, segundo a associação, e o número de empregos criados e influenciados pelo setor terá 3% de alta, de acordo com as projeções.

Leia também:
Inovação é o grande motivo para o crescimento das franquias






ACESSE A EDIÇÃO DESTE MÊS:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS