Os passos silenciosos da Amazon pelo interior de São Paulo

ESPECIAL AMAZON NO BRASIL: A Reuters afirma que a Amazon está esticando seus braços lentamente pelo interior de São Paulo rumo ao aeroporto de Campinas. A ideia pode ser passar por cima dos problemas logísticos. Literalmente…

Para criar uma malha de logística eficiente, a Amazon registrou-se na cidade de Cajamar, interior de São Paulo, com o objetivo de exercer atividade econômica para instalar um centro de distribuição, segundo a Reuters. Recentemente, a agência também noticiou que a companhia estaria fechando uma parceria com a Azul Cargo Express para fazer entrega de produtos eletrônicos no Brasil. O braço de entregas da Azul alcança mais da metade dos municípios do Brasil, 3 mil dos cerca de 5,5 mil. Seria a solução para a Amazon driblar o problema de deslocamento de produtos. Cajamar fica a menos de uma hora do hub da Azul, em Campinas.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

Essa possível parceria faz sentido, uma vez que a logística pode ser o grande calcanhar de Aquiles da Amazon. “No Brasil, a partir do momento em que a empresa vende produtos de terceiros e estes passam a ser responsáveis por ditar o preço do produto e realizar a entrega num País com tantos problemas de logística, fatalmente a qualidade do serviço será afetada”, avalia André Dias, diretor-executivo da Ebit.

ESPECIAL AMAZON NO BRASIL: Magazine Luiza aposta nas ‘lojas-estoque’ para superar problemas logísticos

Mesmo que a Amazon consiga contornar o problema de logística, ela terá de lidar com um mercado muito fragmentado. Dias afirma que os sellers que a Amazon integrar ao seu marketplace também estarão em vários outros mercados on-line, vendendo o mesmo produto. “Hoje, deve ter entre 15 e 20 grandes marketplaces no Brasil”, explica Dias.

Paula Cardoso, CEO do Carrefour Soluções Financeiras: cultura e logística são barreiras para ampliar a venda de alimentos na internet e aumentar a calda do e-commerce (crédito: Douglas Luccena)

Um dos maiores e mais tradicionais sistemas de vendas on-line do Brasil é o do GPA, que tem reformado sua lista de sellers para ampliar o mix de produtos na internet. Essa iniciativa já trouxe resultados positivos à Via Varejo em 2017, com o GMV do marketplace chegando a 24% do faturamento total da Via Varejo. Hoje, a marca tem 3,1 mil lojistas e 1,5 milhão de itens em seu mercado virtual.

Alimento pela internet: o caminho para a expansão

Para Dias, produtos de consumo rápido precisam ser integrados à venda on-line porque o perfil de consumo na internet ainda é majoritariamente de itens duráveis, que têm giro lento. A média de compras na internet é de cinco por pessoa ao ano, segundo a Ebit. Tirando o Mercado Livre, líder de mercado, as vendas caem para 2,7 por pessoa. “É preciso aumentar a recorrência de produtos que têm saída mais frequente, como pet e alimentos. O problema é que esses produtos precisam de uma logística eficiente”, avalia.

Compras on-line em supermercados representam apenas 2% no Brasil

O drama para incluir alimentos nas vendas on-line não é exclusividade do varejo nacional. A Amazon americana trabalha para alongar a cauda de seu marketplace por meio da entrega de alimentos em um prazo cada vez menor. O Pão de Açúcar tem um programa de entrega que leva os produtos aos consumidores em no máximo 24 horas e está tentando baixar esse prazo para, no máximo, quatro horas por meio de seu novo programa de retirada na loja.

O Carrefour prepara uma operação de pontos de retirada para reduzir as filas dentro das lojas e encurtar a distância entre o consumidor on-line e o produto. Hoje, o serviço de pontos de retirada já funciona em 12 lojas. O desafio tem sido solidificar esse tipo de entrega e expandi-lo para o varejo alimentar.

Carrefour e GPA

Para Paula Cardoso, CEO do Carrefour Soluções Financeiras, a logística e a cultura do brasileiro são os principais desafios para implementação de um serviço amplo de vendas on-line de alimentos. “As pessoas não têm o hábito de comprar alimentos on-line. Mas não sei dizer se falta serviço bom para motivar esse comportamento ou se o consumidor, aprendendo a consumir dessa maneira, incentivaria bons serviços. Mas, uma vez vencida essa barreira, não haverá mais volta”, explica.

Carrefour começa a vender alimentos pelo site

Para vender alimentos no Brasil, a Amazon teria de entender o sucesso peculiar do atacarejo, segundo a executiva do Carrefour, um fenômeno tipicamente brasileiro. Uma pesquisa da Nielsen apontou que 10 milhões de famílias migraram dos super e hipermercados para o atacarejo, atraídos, principalmente, pelo preço.

O Assaí, bandeira de atacarejo do GPA que responde por um faturamento anual de R$ 20,1 bilhões, registrou crescimento de 28% em 2017 e fechou o ano com 128 unidades em 18 Estados, em todas as regiões do Brasil. Um alcance territorial que a Amazon penaria para conseguir. Em tempos nos quais a internet dita uma preferência do consumidor por preço baixo, o atacarejo acaba sendo uma espécie de marketplace do varejo físico, com seus preços que chegam a ser de 15% a 20% mais baixos.

ESPECIAL  AMAZON NO BRASIL: Quem tem medo da Amazon e de Jeff Bezos?






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS