Inadimplência das empresas no Brasil cresce 8% em abril, diz Serasa

Confira quantas empresas estavam no vermelho segundo pesquisa do serviço de análise de inadimplência da Serasa Experian no quarto mês do ano

Super Mario Run, jogo da Nintendo para smartphones (Divulgação)

O número de empresas inadimplentes, no Brasil, teve crescimento de 8% em abril, segundo dados divulgados pela Serasa Experian, nesta segunda-feira. Atualmente, são 5,4 milhões de companhias no vermelho, ante às 5 milhões do mesmo período do ano passado. Mas quanto ao montante das dívidas, houve queda de 10,23% em relação ao a abril de 2017.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

Na avaliação dos economistas da Serasa, mesmo com a decisão de 22 de maio do Banco Central pela manutenção da taxa de juros em 6,5%, após sucessivas reduções, a expectativa é de que esse cenário possa contribuir para a estabilização do nível de inadimplência das empresas nos próximos meses, ao estimular a renegociação por meio do acesso facilitado a opções de acordos para quitação de suas dívidas.

Inadimplência por setores

Em abril de 2018, o setor de serviços continuou a figurar com o único segmento a aumentar sua participação entre as empresas em situação de inadimplência: ficou com 47,8% do total e avançou 1,3 ponto percentual na comparação anual. O comércio representou 42,8% dos CNPJs negativados, uma redução de 1,1 ponto percentual na mesma base comparativa. Já a indústria registrou queda de 0,2 ponto em relação ao mesmo mês do ano passado.

Renegociação

De abril de 2017 a abril de 2018, 100 mil companhias inadimplentes buscaram renegociar suas dívidas atrasadas e sair do vermelho por meio do serviço online de renegociação de dívidas da Serasa, totalizaando R$ 101 milhões de dívidas renegociadas.

As pequenas empresas lideraram as renegociações, com 96%. As médias representaram 3% e a grandes, 1%. A maioria das empresas que limpou o nome veio do setor de serviços, com 54%. Na sequência, o comércio, com 37% e a indústria, com 9%. As consultas para o devedor são gratuitas e o cadastro na ferramenta permite que essas empresas sejam avisadas sobre a inclusão de novos débitos com os credores participantes.

Leia também:
Como os clientes compram?






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS