Indústria aproveita falhas do varejo para disputar o consumidor final

Durante o BR Week, Disney, PwC e Brasil/CT falaram sobre como a indústria está preocupada em buscar informações do consumidor final para vender sem intermediários

A pesquisa Global Consumer Insights 2018, da PwC, aponta que 50% dos brasileiros optam por experimentação na hora de escolher o local onde consumir, o número está acima da média mundial, que é 45%. O novo estudo da consultoria substitui o Total Retail, realizado pela última vez no ano passado.

A pesquisa aponta ainda que gastos relacionados a bem-estar são crescentes no País. Hoje, o grande gasto dos brasileiros mais jovens é com comida e viagens, com mais de 50%. Gastos com academia e relacionados ao life style já estão em segundo lugar, com 20%.

Os números indicam que o brasileiro é um consumidor mais dado à experiência que a média mundial. Em uma questão que se propõe provocadora, a PwC perguntou aos entrevistados de 27 países quais topariam receber produtos em drones. Os brasileiros responderam sim em 25% dos casos, contra 16% da média mundial. “O drone foi colocado como objeto de provocação para retratar como as pessoas estão mais ou menos voltadas para a inovação”, informa Hercules Maimone, sócio da PwC

Maimone aponta ainda que o hábito de consumo tem se movimentado numa velocidade muito grande, essencialmente por conta do aspecto tecnológico. “A tecnologia evolui por rapidez, cria novos modelos e coloca isso à disposição do consumidor, que tem sede de ocupar esse espaço e ele começa a criar possibilidades de consumo que antes não havia”, diz o especialista, que apresentou a nova pesquisa da PwC durante o BR Week, evento que reúne os maiores nomes do varejo no país e fornecedores de serviços para o setor.

Para Maimone, on-line e off-line estão convergindo de maneira que se tornam complementares.  “E é bom que sejam assim, porque geram valor e visão de maior consumo e maior mercado”, explica Maimone, que crê que a popularização do sistema omnichannel e a adesão em massa dos consumidores ao varejo on-line podem aumentar a rentabilidade do setor.

Pouca experiência, mas eficiente

Por outro lado, Francisco Donato, CEO da consultoria Brasil/CT, aponta que o consumidor vê cada vez menos problemas de comprar de um novo concorrente do varejo e que não é eficiente em prover experiência de consumo, a indústria. O especialista aponta que as vendas da indústria diretamente ao consumidor, sem a intermediação do varejo, são cada vez mais frequentes.

O estudo da PwC retrata essa nova realidade. Segundo Maimone, embora 78% dos brasileiros que compram pela internet prefiram fazer isso diretamente pelo site do varejista, o número de pessoas que topariam comprar dos fornecedores já é de 22%. “Com as novas tecnologias, o varejo ganha um novo concorrente”, aponta Maimone.

Donato reitera a afirmação de Maimone e aponta que é crescente o número de industriais que trabalham a coleta de dados sobre consumidor final para entender sua jornada de compra. A vontade da indústria de fazer CRM pode ser concretizada. Se ela entrar para valer (na disputa pelo consumidor final), é um caminho que não tem volta”, garante.

Disney, fornecedor que vende experiência

A Disney é uma das fornecedoras que tem potencializado seu contato com o consumidor final de diferentes classes sociais. Famosa por seus filmes e parques temáticos, a empresa entendeu que tem um público sem acesso a seus produtos, a empresa aposta em brinquedos e vestuários. “Vendemos coisa de duas mil camisetas por hora no Brasil em mais de mil pontos de vendas que têm a marca da Disney”, aponta Claudia Neufeld, diretora de marketing da The Walt Disney Company Brasil, que formou o painel com Donato e Maimone durante o BR Week.

Como fornecedora, a Disney aposta na experiência que a marca garante ao seu cliente, ciente de que se dependesse apenas do seu produto para vender, sem a história que a marca tem e o que representa, o desempenho seria diferente. Ainda assim, a marca tem conseguido escala e vende mais de 20 mil SKUs no Brasil, onde a enorme maioria do povo não tem condições de visitar os parques temáticas da empresa americana.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Quanto custa abrir uma franquia de varejo no Brasil?

Home office é tendência de trabalho para 2020: veja 5 dicas

“Parasita”: Pessoas, baratas, parasitas e a diluição da identidade

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

Quais são as tendências para 2020. Veja a lista

VEJA MAIS