Bateria carregada: startup oferece compartilhamento de carregadores

Inicialmente no Rio de Janeiro, Energy2Go tem a pretensão de expandir as ações para outras capitais do país em até 18 meses. Entenda

Os smartphones resolvem grande parte das demandas de quem vive conectado, porém, o carregamento de bateria ainda é o grande calcanhar de aquiles para quem não pode ficar fora da rede. A Energy2Go primeira, startup de energia móvel no Brasil, surgiu no Rio de Janeiro com a proposta de oferecer carregadores de celular compartilhados em diversos pontos da capital carioca.

Atualmente a rede conta com 6 estações no Rio de Janeiro, 12 em Niterói e quase 2000 usuários ativos. Para participar, é necessário retirar o carregador em um dos pontos, recarregar como precisar e devolver em qualquer outro ponto da rede. Todo o processo é feito via aplicativo. “Hoje não tem um bar em que os clientes não peçam para carregar o celular.

Criamos uma solução que é completamente automatizada, onde o estabelecimento e o cliente não precisam se preocupar com nada”, explica Victor Gomes, criador da iniciativa ao lado de Pedro Tauk. A empresa surgiu há dois anos, a partir de um programa chamado “Inspire Empreendedores”, promovido pela multinacional Enel. Vale destacar que, desde fevereiro, a startup se tornou independente e, inclusive, tem a Enel como uma das apoiadoras do projeto. Gomes explica que o processo de expansão pretende se firmar no Rio de Janeiro e, posteriormente, estabelecer o projeto em outras capitais. “Nos próximos 18 meses, pretendemos focar no Rio de Janeiro. Instalar até 400 terminais entre Rio e Niterói e chegar a 200 mil usuários neste período. Após isso, pretendemos expandir a iniciativa para o resto do Brasil”, diz.  Quanto custa? A rede conta com preços a preços que contemplam o uso diário, mensal e anual. O plano básico é de R$ 6,90, com prazo de devolução de quatro horas em algum dos pontos. O que dá uma média de R$ 1,72 por hora.  Por R$ 12,90, o usuário pode ficar até 24h com o carregador. Os outros pacotes contemplam quem quer fazer uso do produto por mais tempo: mensal (R$22,90) e anual (R$199,00).

Avaliação de quem usa Gomes explica que o retorno dos usuários tem sido positivo e reforça que houve um esforço para entender essa demanda. “Uma vantagem desse período antes do lançamento da empresa é que pudemos validar que estamos atacando a necessidade dos clientes e que nossa demanda realmente os atendia.

Desenvolvemos toda a tecnologia já com essa base. A avaliação dos usuários tem sido muito positiva e a demanda dos pontos tem sido cada vez maior”. Embora contemple apenas celulares, o objetivo da empresa é contemplar outras plataformas num futuro próximo. “Estamos começando pelos celulares, mas pretendemos estender isso para outros suportes.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Vídeos

VEJA MAIS

Revista Consumidor Moderno

VEJA MAIS