Pesquisa revela as regiões com mais tentativas de fraude no e-commerce

Levantamento da ClearSale mostrou quais os itens mais classificados como fraude no comércio eletrônico brasileiro em 2017

Comprar pela internet já é uma ação comum entre os brasileiros. O e-commerce precisou quebrar a barreira da desconfiança para chegar onde está. Mesmo assim, tentativas de fraude ainda acontecem e cresceram em 2017. Um levantamento da ClearSale mostrou quais são as regiões com mais casos de tentativas – efetivadas ou não – de golpe no comércio eletrônico.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

O levantamento analisou informações de 85% do mercado de e-commerce brasileiro. Segundo a pesquisa, houve aumento de 18,18% no valor dos produtos vendidos pela internet. Já a demanda cresceu 11,82% entre dezembro de 2016 e dezembro do ano passado.

Mapa das fraudes

A região Norte foi a que registrou a maior proporção de tentativas de fraude. Cerca de 7,60% dos produtos colocados à venda por sites da região foram identificados como fraudulentos. O Nordeste aparece na sequência da lista com 4,70% dos produtos classificados como mal intencionados.

A média nacional ficou em 3,42%, número maior na comparação com 2016, quando o índice foi de 3,05%. Sul e Sudeste ficaram abaixo da média do País. Os estados do Sul tiveram média de apenas 1,98%. No entanto, o número era menor na pesquisa anterior – 1,72%. Já o Sudeste fechou 2017 com o índice em 3,20%. Houve crescimento de 0,44% na comparação com 2016. O Centro-Oeste teve a terceira maior média – 4,51%.

Itens mais fraudados

Os celulares foram o item mais usados para fraudes em 2017. Nove em cada 100 produtos desta categoria catalogados no e-commerce brasileiro eram, na verdade, tentativas de fraude. O número era maior em 2016, quando chegou a 12,7%. Na época, os itens relacionados a games eram os primeiros na lista, com 17,1% das ofertas classificadas como fraude. Em 2017, o cenário mudou e a categoria teve média de 8,63%, ocupando a segunda posição no ranking.






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS