Starbucks investe em saladas no almoço para melhorar cardápio nos EUA

Rede de cafeterias coloca o conceito grab & go saudável como prioridade a alguns mercados nos Estados Unidos. Entenda o porquê

Kevin Johnson, CEO da Starbucks, identificou que os resultados dos últimos anos no período do almoço estavam abaixo do esperado para a rede de cafeterias no seu reduto de maior sucesso, os Estados Unidos. De acordo com a agência de notícias Bloomberg, a companhia vai apostar em um cardápio saudável e de rápido consumo como estratégia para alavancar as vendas nessa parte do dia.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

“Isso tem feito muito sucesso no almoço”, disse a vice-presidente sênior de inovação global, Sandra Stark, à Bloomberg. “É por isso que estamos expandindo estrategicamente esse cardápio para determinados mercados na Costa Leste dos Estados Unidos, crescendo nos mercados existentes e continuando a avaliar os mercados futuros”, complementou a executiva.

Chamada de linha “Mercato”, a Starbucks vai expandir principalmente nos cafés da ilha de Manhattan, em Nova York. No entanto, não serão todos os cidadãos americanos que vão poder experimentar a novidade. Segundo a estratégia da companhia, trabalhar com comida fresca em outros estados não funciona por cada região ter seu preço em relação aos produtos, seguindo o raciocínio da lei da oferta e da demanda e da sazonalidade dos produtos em cada estado.

A Starbucks está apostando nas novas seleções de almoço – apelidadas de Mercato – para atrair mais clientes da tarde. A comida pega-pega, incluindo uma salada de tablete de frango e couve-flor e sanduíche de manteiga de amêndoa, é feita diariamente em cozinhas externas. A Starbucks também está experimentando placas de menu digitais que destacam a comida e lanches e mudam dependendo da hora do dia.

O conceito grab and go não é novo para a Starbucks, mas agora essa linha estará muito mais em evidência na vitrine da loja. Historicamente, segundo a Bloomberg, a rede de cafeterias tem lutado para conseguir que os amantes de café comprem alimentos. As comidas representam, atualmente, cerca de 22% das vendas domésticas da Starbucks, de acordo com a agência. A meta é chegar a 25% até o final do ano de 2021.

Leia também:
A alternativa sustentável da Starbucks para eliminar os canudinhos

 

 






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS