Pagamentos sem contato devem movimentar US$ 2 trilhões até 2020

De acordo com pesquisa da fintech Juniper Research, número de usuários de gadgets e cartões contactless deve alcançar 450 milhões nos próximos dois anos

Ainda neste ano, o mercado de pagamentos sem contato em pontos de venda vai exceder US$ 1 trilhão em transações e, até 2020, deverá alcançar US$ 2 trilhões, representando 15% do total dos negócios, de acordo com a fintech Juniper Research. A expectativa é que as carteiras da Apple Pay, Samsung Pay e Google Pay sejam as principais responsáveis por esse avanço — sendo que a Apple deverá responder por um em cada dois usuários, que devem somar globalmente 450 milhões de pessoas, nos próximos dois anos.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

Apesar do lançamento de diversos gadgets, como relógios e pulseiras, as transações sem contato continuarão a ser dominadas pelos pagamentos com cartão, impulsionados pela forte adoção na Europa, bem como no Extremo Oriente e na China. A Ásia-Pacífico já responde atualmente por quase 55% do total transacionado no mundo com cartões sem contato.

“Acreditamos que o crescimento nos próximos cinco anos continuará a ser dominado pelas ofertas dos principais players, mas também estamos atentos aos lançamentos da Huawei Pay e da Fitbit Pay em vários mercados”, afirma Nitin Bha, autor da pesquisa.

Além disso, o estudo prevê um rápido crescimento da emissão de bilhetes sem contato, como os cartões de ônibus e metrô de São Paulo chamados de Bilhete Único, que são carregados com o valor das passagens e descontados de acordo com o uso do passageiro. A demanda deve vir especialmente dos mercados europeu e norte-americano. A Juniper prevê ainda que deverão ser realizadas cerca de 10 bilhões de transações com esses bilhetes até 2022.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Quanto custa abrir uma franquia de varejo no Brasil?

Home office é tendência de trabalho para 2020: veja 5 dicas

“Parasita”: Pessoas, baratas, parasitas e a diluição da identidade

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

Quais são as tendências para 2020. Veja a lista

VEJA MAIS