FecomercioSP: Varejo paulista elimina 5.808 postos de trabalho formal em junho

Quase 34 mil vagas foram fechadas no primeiro semestre, o pior desempenho desde 2015

O comércio varejista no Estado de São Paulo eliminou 5.808 empregos com carteira assinada em junho, resultado de 67.039 admissões e 72.847 desligamentos, o pior resultado para o mês desde 2015. Com isso, quase 34 mil vagas foram fechadas no primeiro semestre. Assim, o varejo paulista encerrou o mês com um estoque de 2.055.480 empregos formais, leve alta de 0,2% em relação a junho de 2017. No acumulado de 12 meses, o saldo é positivo em 3.254 vagas.

Os dados compõem a Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP Varejo), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) com base nos dados do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e o impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, calculado com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

Em junho, apenas as concessionárias de veículos apontaram saldo positivo (170 novos vínculos celetistas) entre as nove atividades analisadas. Destacaram-se negativamente as lojas de vestuário, tecidos e calçados (-1.798 vagas), o grupo de outras atividades (-1.387 vagas) – em que predomina o comércio de combustíveis – e o varejo de materiais de construção (-1.217 vagas).

No comparativo anual, quatro atividades sofreram redução do estoque de empregos celetistas, com destaque para lojas de vestuário, tecidos e calçados (-1,9%) e lojas de móveis e decoração (-1,6%).  Em contrapartida, os segmentos de farmácias e perfumarias e de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos obtiveram os melhores resultados, ambos com crescimento de 2,4%.

A assessoria econômica da FecomercioSP destaca que o primeiro semestre normalmente tende a ser de retração no varejo paulista, mas que, neste ano, a situação foi ainda pior que em 2017. Além disso, a paralisação dos caminhoneiros foi um fator determinante para o resultado negativo no mês, pois gerou uma crise de desabastecimento e criou um clima de incertezas, com reflexos negativos imediatos sobre a confiança dos consumidores e empresários e, consequentemente, sobre a geração de vagas com carteira assinada. Esse impacto negativo já era previsto pela Federação.

A FecomercioSP ressalta a importância de o empresário ficar atento à alta rotatividade de funcionários, já que os custos de desligamentos e contratações são elevados.

Varejo paulistano
Na capital, 1.234 vínculos formais foram extintos, resultado de 21.200 contratações e 22.434 desligamentos. O desempenho das lojas de vestuário, tecidos e calçados (-481 empregos) e de materiais de construção (-288 vagas) foram determinantes para o resultado geral negativo. No acumulado dos últimos 12 meses, o saldo ainda é positivo em 178 vagas celetistas. Assim, o varejo paulistano encerrou o mês com um estoque de 643.907 postos de trabalho formal, estável em relação a junho de 2017.

Ainda em relação a junho do ano passado, as maiores retrações no estoque de empregos foram verificadas em materiais de construção (-1,5%) e lojas de móveis e decoração (-1,2%). Em contrapartida, farmácias e perfumarias (3,5%) e eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (2,6%) exibiram as maiores taxas de crescimento.

Nota metodológica
A Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP Varejo) analisa o desempenho do mercado de trabalho formal em 16 regiões do estado e nove atividades do varejo: autopeças e acessórios; concessionárias de veículos; farmácias e perfumarias; eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos; matérias de construção; lojas de móveis e decoração; lojas de vestuário, tecidos e calçados; supermercados e outras atividades. As informações são extraídas dos registros do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e o impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS