Presidente da Multiplan vê ‘guerra de classes’ e setor público como ‘elite’

José Peres, presidente da Multiplan, um dos maiores donos de shoppings do País, aponta Judiciário e crédito imobiliário como causas da crise no real estate

O empresário José Isaac Peres, presidente do Grupo Multiplan, dono do Barra Shopping, Morumbi Shopping, Shopping Vila Olímpia, Shopping Anália Franco e outros 16 empreendimentos pelo Brasil, afirmou que o Brasil vive uma guerra de classes entre funcionários públicos e o setor privado. O executivo participou de palestra junto a outros donos de shoppings centers neste mês, no qual questões políticas deram o tom do debate.

Segundo o executivo, o Brasil tem duas classes que estão se repelindo nesse momento “a elite, que são os funcionários públicos, e o restante, que somos nós. Minha esperança é que o país mude. Vivemos a disputa entre classes, que é setor público tratado de uma forma e o setor privado de forma muito pior”, afirmou Peres.

Confira a nova edição da revista NOVAREJO com tudo que acontece no setor

O executivo apontou o Judiciário como um dos culpados pela crise no setor imobiliário e criticou os programas de financiamento da casa própria que, segundo ele, aumentou a inadimplência no País.

“A construção civil quebrou e não foi por conta da recessão, mas por invenção do Judiciário, que resolveu legislar. A compra de uma casa equiparou-se a um bem de consumo, como uma geladeira. Se ele (cidadão) compra uma geladeira e não quer pagar, ele pega o dinheiro de volta, a mesma coisa na construção civil. Quando você faz um projeto imobiliário e vende, ganha 200, 300 por cento. Mas, hoje, o comprador tem o direito de, se comprar e se arrepender, pegar o dinheiro de volta”, afirmou Peres.

Os dados do Ministério das Cidades e do Programa Minha Casa, Minha Vida do primeiro semestre deste ano apontam, porém, que a situação de inadimplência entre as pessoas que recorrem à aquisição da casa própria via programa federal está bem abaixo da média nacional de inadimplência.

A faixa 1 do programa, que contempla as pessoas mais pobres, é a que apresenta maior inadimplência, com 22%. Ainda assim, as dívidas superiores a três meses responde por apenas 2% dos financiamentos. O levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) de julho passado apontou que, na faixa mais baixa de renda, as dívidas em atraso atingem 26,7% das famílias, acima da média de inadimplentes nos programas de financiamento da casa própria.

Números da Multiplan

Diante de uma economia que cresceu 1% em 2017 e se prepara para crescer 1,6% neste ano (segundo projeção do Banco Central, que já foi reduzida pela metade desde o começo do ano), o Grupo Multiplan apresentou aumento de 39,4% no lucro líquido ao final de segundo trimestre deste ano na comparação com o mesmo período de 2017.

Só a receita com locação (cobrança aluguel e outros serviços ao lojista) representou 74% do total da receita do grupo. Enquanto as vendas de lojas cresceram 2,2% no segundo trimestre de 2018, o aluguel subiu 2,7%. A margem líquida subiu 47,5% na comparação trimestral.

O custo de ocupação para os lojistas nos empreendimentos da Multiplan subiu 26% entre 2016 e 2018, segundo balaço da empresa, forçando a taxa de inadimplência dos lojistas, que subiu 1 ponto percentual no segundo trimestre.

A taxa de ocupação da rede hoje é superior a 90%.






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS