Para reduzir filas, Carrefour pretende testar scanner no Brasil

Acompanhando tendências globais de pagamento digital, companhia vai testar ferramenta Scan & Go ainda em 2018 em unidades do Carrefour Express

Por: - 3 meses atrás

Uma das partes mais estressantes na hora de realizar compras em supermercados é encarar longas filas na hora de realizar o pagamento. Para acelerar esse processo, o Carrefour pretende implantar – em fase de testes – uma tecnologia que faz leitura dos produtos diretamente no carrinho. O presidente da empresa no Brasil, Noel Prioux, disse que o dispositivo deve ser instalado ainda em 2018.

Vale destacar que a tentativa de implantar esse tipo de escaneamento não é uma novidade. No mercado americano, Walmart e Amazon já testaram a ferramenta Scan & Go para tentar reduzir o tempo dos clientes em filas nas lojas físicas. Num primeiro momento, a ideia da rede é implantar uma versão piloto do dispositivo de leitura rápida em cinco unidades Carrefour Express, formato de lojas smart que se popularizou em grandes cidades.

Tendência global

No Reino Unido, a rede de supermercados Sainsbury’s também anunciou que utilizará a tecnologia Scan&Go em uma de suas lojas para tentar reduzir as filas. Por meio do aplicativo Smartshop, os clientes podem cadastrar cada produto e, ao final, realizar o pagamento via Apple Pay via QR Code fornecido na loja. Ainda em fase de testes, a facilidade está disponível apenas para usuários de aparelhos IOS.

Já no mercado americano, a Amazon inovou com duas lojas físicas sem caixas registradoras, chamadas de Amazon Go. Sediadas em Seattle, as unidades possuem sensores e câmeras que acompanham o que os clientes pegam e devolvem das prateleiras, de modo que os valores dos produtos são lançados de forma automática no cartão de crédito cadastrado previamente pelo consumidor.

Rede de restaurantes

Durante evento realizado em São Paulo, Prioux destacou que outra ação que está no radar da companhia em um futuro próximo é a criação de restaurantes dentro dos estabelecimentos da rede. De acordo com o executivo, a ação acompanha uma tendência global de aumento da alimentação fora de casa, de modo que o Brasil também deve acompanhar esse movimento.