Mais do que rapidez, pós-consumidor exige simplicidade e transparência

iLink e English Live mostraram case que vai de encontro com desejos presentes no comportamento do pós-consumidor. Entenda

Por: - 2 meses atrás

A rapidez para a busca de soluções é uma justificativa constante nas tentativas de definição do que busca o pós-consumidor, porém, alguns exemplos do mercado revelam que nem sempre essa é a questão imprescindível aos seus  olhos. Muitas vezes, ele deseja das empresas o que espera de pessoas próximas: confiança e franqueza. Esse tema foi discutido em profundidade no segundo dia de programação do CONAREC, especialmente no painel “Simplicidade e transparência – os pré-requisitos para a conquista do pós-consumidor”.

O encontro trouxe a exposição do case que uniu a iLink Solutions e a English Live, que trabalharam conjuntamente no desenvolvimento de melhorias da plataforma de aulas online da escola. Para Eduardo Campoy, Head de Projetos da English Live, muitas vezes as pessoas constroem uma visão de que é simples oferecer uma ferramenta dessa natureza. “Montar uma plataforma online e inserir o professor parece muito fácil, mas não é tão simples assim. A plataforma vem sendo desenvolvida a anos. Apesar de sermos uma instituição de educação, no contexto Brasil somos uma empresa de vendas”, explica.

As expectativas do pós consumidor

Na visão de Ricardo Gorski – Diretor Geral da iLink Solutions -, entender o pós-consumidor em sua especificidade faz parte da busca por esse alinhamento de expectativas entre quem oferece serviços e quem deseja comprar. “A gente pensa o pós-consumidor como indivíduo. Proatividade e otimização da experiência são características que ele persegue. Mas além desses aspectos, a transparência e a simplicidade na comunicação são fundamentais para ele”, aponta.

Ao remontar o sucesso do case com a escola de inglês, Gorski apresentou as melhorias que a parceria alcançou e como isso contemplou essa nova régua de exigência dos consumidores. “Isso é o pós-consumidor, ele provê um serviço pró-ativo que permite que eu aprenda inglês 40% mais rápido que em escolas tradicionais”. Campoy acrescentou que, nessa dinâmica de vendas de definir metas, entender os “novos desejos” foi fundamental. “A gente precisa continuar colocando 400/500 pessoas novas todos os dias. Chegou um determinado momento em que nos deparamos com o impeditivo para que a gente conseguisse pensar no pós-consumidor e no que ele precisa e quer. Precisávamos fazer uma mudança e tomar uma decisão importante para continuar fornecendo um serviço de qualidade”, finaliza.

Praticidade para aprender

Embora o ensino à distância não seja necessariamente uma novidade, a English Live conseguiu estabalecer boa competição com as escolas tradicionais por oferecer uma solução prática de aprendizado e que poupa a locomoção de seus clientes. Campoy destacou esse diferencial e a importância de estabelecer parcerias para o crescimento. “A escola permite que você veja o professor do outro lado hoje, mas ele não pode te ver. Importante dizer que tudo que estão vendo se faz estabelecendo parcerias. Hoje (não precisar) ir até a escola torna-se um fator determinante para o pós-consumidor. Fomos entendendo o que é importante para ele. Conseguimos tecnologia pré-qualificada pelo MEC”, diz.