Especial pós-consumidor: a importância dos planos de saúde

De acordo com pesquisa da MindMiners, 87% dos entrevistados com até 32 anos acham importante ter acesso a bons hospitais e clínicas

Por: - 2 meses atrás

Quase 90% dos brasileiros consideram a saúde pública e privada péssima, ruim ou regular, segundo dados apresentados pelo Conselho Federal de Medicina em junho. Não à toa, almejam ter bons planos de saúde: inclusive, os mais jovens.  De acordo com pesquisa exclusiva da MindMiners, 87% dos entrevistados com até 32 anos acham importante ter acesso a bons hospitais e clínicas. Nesse sentido, até mesmo as seguradoras estão passando por uma transformação: se antes viam a medicina como curativa, agora a veem como preventiva.

Para o presidente do Grupo NotreDame Intermédica, Irlau Machado Filho, este ponto de vista traz novos hábitos para os consumidores, algo que o pós-consumidor já provou que gosta. “Não adianta apenas tratar. É necessário que o setor médico e de saúde suplementar tenha o olhar além do momentâneo, da doença em si. Isso traz bem-estar”, afirma Machado. Ainda que os planos de saúde sejam conhecidos por solicitar que os médicos peçam menos exames aos pacientes, Machado garante que é papel da NotreDame incentivar a medicina preventiva. “O trabalho de prevenção com foco em doenças e qualidade de vida é comprovadamente eficaz não só em termos financeiros, mas para o setor de saúde como um todo”, completa.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno

Segundo Raquel Giglio, diretora técnica e de relacionamento com clientes da SulAmérica, a gestão integrada de saúde, com foco em prevenção e qualidade de vida, sempre esteve no centro das estratégias da seguradora. Desde 2002, oferece aos segurados programa Saúde Ativa, um conjunto de iniciativas à saúde e ao bem-estar para estímulo de hábitos de vida saudáveis. Esse trabalho é feito em parceria com a Sharecare, maior provedora independente de soluções em saúde e bem-estar do mundo. O programa tem mais de 90 mil segurados ativos em alguma das iniciativas, que contemplam desde programas para coluna, gestão de doenças crônicas a acompanhamento de gestantes. “Os consumidores demandam cada vez mais soluções personalizadas. Por isso, contemplamos produtos e soluções que garantem comodidade e valor à experiência”, afirma.

Manoel Peres, diretor-presidente da Bradesco Saúde, diz que os clientes desejam ser atendidos em diversos canais e querem agilidade no atendimento de suas demandas. Uma grande novidade disponibilizada há algumas semanas é a criação da função reembolso no aplicativo, que já conta com mais de 630 mil usuários. “A tecnologia utiliza o reconhecimento de notas fiscais emitidas pelo referenciado para iniciar o processo de reembolso. Com essa nova ferramenta, não é mais preciso o envio da documentação original (notas fiscais) pelos Correios. O processo fica mais simples e o segurado pode receber notificações para acompanhar todo o processo via SMS ou e-mail”, diz o executivo.

Mas não são apenas as seguradoras que estão de olho no setor da saúde. Conhecida no mercado pelo vale-alimentação e vale-refeição, a Ticket acaba de lançar um cartão pré-pago na mesma linha só que voltado para a promoção da saúde. Ele pode ser utilizado pelos colaboradores em uma rede credenciada com milhares de médicos, clínicas e laboratórios, com preços que variam de R$ 60 a R$ 80. “Todas as empresas podem aderir ao benefício – desde pequenas empresas, que não oferecem um plano de saúde aos seus colaboradores e buscam por uma opção que dê acesso a serviços relacionados à saúde, até as grandes empresas, que já oferecem um plano e querem complementar seu pacote de benefícios”, afirma Felipe Gomes, diretor-geral da Ticket.

TER AINDA É PODER

Estudo da MindMiners com 1.200 pessoas mostra os hábitos de compra dos jovens brasileiros
Em uma escala entre 1 e 5, sendo 1 “nada importante” e 5 “muito importante”, quão importante é,
para você, possuir cada um dos itens a seguir: