Startup mineira quer ser o iFood do varejo de farmácia

Remederia lança aplicativo de delivery de medicamentos no interior de Minas Gerais. Startup recebeu aporte de R$ 1 milhão para começar o negócio

A startup mineira Remederia está replicando o modelo de negócios do iFood no setor de farmácias. A iniciativa procura facilitar a entrega de medicamentos para o consumidor final, reunindo o estoque de diferentes farmácias em uma única plataforma on-line e permitindo que ele faça a compra pelo celular.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

A empresa, criada em Betim, interior de Minas Gerais, será lançada no mercado depois de receber aporte de R$ 1 milhão. Everson Costa, CEO da Remederia, aponta que a o serviço do iFood, que reúne cardápios de concorrentes para que o consumidor tenha mais praticidade e eficiência na escolha da sua refeição, foi a inspiração.

Além de facilitar a escolha do consumidor, a Remederia, assim como o iFood, oferece uma rede de entregadores para as farmácias. “Percebemos que muitas das farmácias ainda não oferecem amplamente este serviço (de entrega a domicílio). Com isso, acabamos resolvendo também um problema do próprio dono da farmácia, que não precisa se preocupar com o delivery”, afirma o executivo.

Leia também: Era das fusões entre farmácias e planos de saúde é inaugurada nos EUA

Para o consumidor fazer uso, ele deve baixar o aplicativo. As farmácias, por sua vez, precisam se cadastrar gratuitamente na plataforma.

Expansão

Segundo dados da NRC Consultoria e da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), o faturamento no mercado de medicamentos foi superior a R$63,5 bilhões em 2016. Só o varejo farmacêutico atingiu um volume de vendas de 5,2 bilhões de unidades de medicamentos em 2017.

Em fase inicial, o aplicativo vai atender apenas a região de Betim. O plano de expansão compreende estar em Belo Horizonte em três meses. O passo seguinte é São Paulo, mas ainda sem data estimada.

A expectativa da Remederia é alcançar todo território brasileiro, conseguir 10% de toda a transação e chegar a faturamento de R$ 5 bilhões por ano até 2022.

Leia também: Gigante chinesa de farmácias avança sobre mercado americano






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS