Veja três exemplos de um robô como ‘funcionário do mês’

Os exemplos vêm de diferentes partes do mundo mostrando que robôs no atendimento ao cliente não são mais personagem de ficção científica

Faz um tempo que parte significativa do atendimento ao cliente foi automatizada e alguns dos milhares de chatbots disponíveis no mercado estão cumprindo muito bem essa função. Tão bem que os robôs foram promovidos e passaram para o atendimento no balcão, cara a cara com os clientes. Os exemplos vêm de diferentes partes do mundo, mostrando que, em breve, eles podem ser o próximo ‘funcionário do mês’.

Robô pizzaiolo (França)
A empresa de robótica Ekim criou o projeto Pazzi, um robô pizzaiolo que prepara a pizza em um tempo recorde de 30 segundos na frente do cliente. É possível escolher o sabor entre mais de 500 mil possibilidades de combinações. “Otimizamos totalmente o processo de produção da pizza dentro de uma área de 45 metros quadrados, e tudo a um valor acessível de investimento”, dizem os engenheiros eletrônicos Cyrill Hamon e Sébastien Roverso, idealizadores do projeto. O primeiro restaurante será aberto em Paris até o fim deste ano e, a partir de 2019, estará disponível para franquias ou licenciamento. A micropizzaria pode ter um funcionamento 24/7 e ser instalada em shopping centers, aeroportos, estações de metrô, faculdades ou lojas.

Robô na vitrine (Espanha)
Presente em 14 países com 800 pontos de venda, a loja alemã de eletroeletrônicos MediaMarkt selecionou um robô para fazer as entregas dos produtos comprados pelo sistema Clique e Retire em sua unidade em Barcelona, na Espanha. Funciona assim: o cliente passa o recibo da compra em um scanner e o robô, que anda na vitrine sobre trilhos, vai até a caixa correspondente, pega o pacote e o coloca em uma área onde o produto pode ser retirado. A marca já utiliza robôs para entregas em domicílio em modelo de teste, por enquanto.

Drink perfeito (China)
No bar e café Ratio, em Xangai, na China, um robô faz drinks e cafés. Sim, ele também é barista. O pedido é feito via WeChat e o consumidor, minutos depois de escolher sua combinação personalizada, retira sua bebida no balcão. Na próxima vez em que ele for ao Ratio, o garçom – munido de inteligência artificial – é capaz de se lembrar do último pedido e fazer recomendações baseadas em suas preferências. Ele merece ou não uma boa gorjeta?

Este conteúdo faz parte da seção Vitrine NV da revista NOVAREJO.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS