Economia anual em supermercado pode ser de até R$ 5 mil em SP, diz pesquisa

Levantamento da Proteste encontrou variação de até 404% em um mesmo produto. Economia na capital paulista pode ser de até R$ 423 por mês

Por: - 3 semanas atrás

A Proteste divulgou, pelo 13º ano consecutivo, o Guia de Preços de Supermercados, que busca mapear e indicar os estabelecimentos mais baratos em 22 cidades distribuídas pelos 16 estados brasileiros, incluindo o Distrito Federal.

O levantamento foi surpreendente na cidade de São Paulo, onde o consumidor pode economizar até R$ 5.077,92 em um ano, o que representaria o equivalente a R$ 423,16 por mês. A pesquisa se baseou no custo total para a aquisição de suas cestas definidas de produtos diversos, classificada por diferentes perfis de consumo.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

Na cesta 1, foram colocados 104 produtos líderes de venda que se distribuem nas seguintes categorias: bazar, Mercearia doce e salgada, higiene e limpeza, carne vermelha, perecíveis e hortifrúti. No segundo pacote, 90 itens “mais baratos” foram elencados com as marcas com preços mais acessíveis nos seguintes segmentos: Bazar, Mercearria doce e salgada, higiene e limpeza e perecíveis.

Metodologia

As marcas participantes foram definidas a partir dos resultados obtidos na pesquisa Líderes de vendas 2017, divulgada pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Para levantar as informações, os pesquisadores adotaram o comportamento de consumidores comuns à procura de preços mais em conta. O método adotado serviu para evitar distorções no resultado. O cálculo dos custos de cada cesta não se deu apenas pela soma do valor total, mas sim em ponderações baseadas na Pesquisa de orçamentos Familiares (POF) realizada pelo IBGE.

A capital paulista teve 401 lojas visitadas em todas as regiões, de modo que foi possível mapear a variação de preços entre os tipos de loja, redes, regiões e produtos. As lojas mais baratas entram na categoria hard discount, com preços que podem ser até 35% mais baratos que em hipermercados para a Cesta 1 e 21% menores para a Cesta 2 em pontos como supermercados.

A Cesta 1 apresentou variação de 96%, com um custo mínimo de R$ 440,69 e máximo de R$ 863,85, o que representa uma diferença de R$ 423,16. No caso da Cesta 2, o valor mínimo obtido foi de R$ 337,82 e máximo de R$ 665,25, uma variação de 97%.