Minecraft, mais que um jogo: uma aula de engajamento

Um dos maiores fenômenos da cultura digital, o jogo que mobiliza milhões de pessoas no mundo, é uma referência de engajamento e fidelidade. Saiba porquê

Por: - 1 semana atrás

Um dos jogos mais influentes e famosos de todos os tempos, o Minecraft é um case excepcional de superação de desafios. Helen Chiang, Head da empresa, hoje parte integrante da Microsoft, falou sobre o futuro desse fenômeno. Como um game pode se manter relevante ao longo do tempo, mesmo em um ambiente tão competitivo, criativo e variado quanto o de games?

Segundo Helen, o jogo é uma combinação de aventura, exploração, reconstrução e revisão constante. Ele estimula as pessoas a desenvolverem senso de colaboração, uma ferramenta que faz as pessoas trabalharem juntas com profundo envolvimento social. Ainda assim, como é possível manter essa chama e essa motivação viva ao longo dos anos? Helen afirma que é necessário lançar sempre novas funcionalidades que permitam tornar o jogo cada vez mais disponível – nos celulares, desktops, tablets, em qualquer dispositivo – para que possam participar da plataforma a qualquer hora e de qualquer lugar.

Minecraft desenvolveu senso de comunidade. “Acreditamos definitivamente que o futuro do jogo é ser cada vez mais coletivo. Um jogo que se pratica em colaboração, junto com outras pessoas. Para isso queremos criar as barreiras que separam os criadores dos jogadores e permitam a todos intervirem na criação e evolução do jogo. Acreditamos que os jogadores possam incentivar e interagir com seus criadores favoritos para que o jogo evolua e seja sempre inovador”, destaca Helen.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

A capacidade de engajamento de Minecraft é extraordinária. Cada jogador pratica em média 2,5 vezes mais do que qualquer outro jogo conhecido. É impressionante verificar como a experiência do jogo permite criar designs sensacionais, o que motiva os jogadores a se empenharem cada vez mais, com desdobramentos positivos em suas vidas e desenvolvimento. Mais de 100 milhões de pessoas jogam na plataforma diariamente no mundo todo, se conectando e trocando informações e ideias. O Minecraft é também um marketplace que aproximou criadores e permitiu a eles trabalharem na plataforma não apenas como hobby, mas como carreira. São talentos que hoje ganham seu próprio dinheiro e atraem novos talentos, que geram novos conteúdos, gerando oportunidades contínuas nos quatro cantos do mundo. Não por acaso, uma nova atualização é lançada a cada semana.

Há diversas lições aqui: a tecnologia como plataforma de colaboração, expandida para um formato de ecossistema que mobiliza clientes, jogadores, criadores, desenvolvedores em torno de um ambiente virtual com impactos profundos na vida real.

A indústria do entretenimento vem sabendo conciliar de maneira bem-sucedida as possibilidades da tecnologia com interações sociais, formação de comunidades e valores de alcance universal. Marcas tradicionais sofrem os efeitos da reação dos homens comuns diante da globalização. Mas essa reação é muito menor, quase sem fricção quando vemos experiências e ecossistemas funcionais de grande alcance como Minecraft e Netflix.

Esse é um novo espírito que traz ensinamentos profundos para as corporações que operam em segmentos tradicionais. As fronteiras do engajamento estão ganhando novos contornos e podem ser exploradas com resultados surpreendentes.