Crise econômica altera hábito de viagem de mais de 64% dos brasileiros

Pesquisa teve 1.247 respondentes das classes A, B e C. Levantamento indica que crise não tirou a vontade de viajar dos brasileiros, mas resultou em mudanças de hábitos

Por: - 1 mês atrás

Pexels

O mês de novembro é um dos mais generosos quando o assunto é feriado. Em muitas cidades o brasil, o dia de finados (2), a proclamação da República (15) e o Dia da Consciência Negra (20) representam uma folga estendida de seis dias. A composição dessas datas resulta em possíveis oportunidades para fazer uma viagem mais longas, caso do feriado do dia 15.

Contudo, o brasileiro ainda sente o fantasma da crise econômica interferir em seus hábitos de viagem. De acordo com pesquisa realizada com 1.247 pessoas pela Toluma, empresa especializada em pesquisas e insights de consumo, 64% dos respondentes afirmaram que suas rotinas de viagens serão alteradas.

Entre os respondentes que confirmaram as mudanças, 63% destacaram que o fizeram devido a uma diminuição de renda da família, com 22% afirmando que optaram por investir em outras áreas e 15% perderam o emprego e priorizaram na busca por uma recolocação profissional.

A mudança de comportamento se refletiu, principalmente na hospedagem, de modo que 50% disseram trocar por lugares mais baratos, enquanto 33% disseram que não viajam mais.

“A pesquisa também mostra que os viajantes têm muito a aprender quando se trata de seus direitos, e que as companhias aéreas ainda podem atuar mais para atender melhor aos viajantes”, afirma Denis da Silva, analista de marketing da AirHelp.

Mudança na locomoção

Vale destacar que a crise mudou as hábitos, mas não necessariamente tirou a vontade de viajar de todos os brasileiros, de modo que 48% das pessoas viajaram em 2018 e 43% deles ficaram pelo menos uma semana em seu destino. Contudo, a maioria deles (36%) decidiu ir de carro, que é geralmente uma alternativa mais barata do que avião, escolhido por 35% das pessoas.