Avanço da tecnologia de softwares e de dados impulsiona uso de comunicação digital pelo varejo

Plataforma leva vantagem ao permitir, além de comunicação de impacto com o consumidor, interação e engajamento com rastro

As icônicas Times Square em Nova York e Picadilly Circus em Londres talvez sejam o melhor exemplo do impacto da comunicação digital no mobiliário urbano. Em tempos de digitalização e na era dos dados, os outdoors luminosos se consolidam ainda mais como canal eficaz de comunicação Out of Home (OOH) com o consumidor e têm ganhado cada vez mais espaço na estratégia das empresas e marcas. De acordo com projeção da FEPE – Associação Internacional de Campanhas Out of Home, o investimento em mídia OOH deve passar de US$ 38 bilhões em 2015 para US$ 46 bilhões em 2019. Nesse contexto, o digital signage, uma forte tendência para a comunicação do varejo com os consumidores, saltará de US$ 16 bilhões para US$ 22 bilhões no mesmo período.

As inovações aprimoradas na tecnologia de exibição, como OLED, exibição de papel eletrônico (EPD) e LED de ponto quântico (QLED), são alguns dos fatores que estariam ajudando a impulsionar esse mercado, segundo o instituto de pesquisas de mercado Orbis. Outra alavanca está no crescimento de infraestrutura urbana nos países emergentes e de smart cities nos desenvolvidos.

“Digital signage é uma tendência irreversível em que as companhias estão investindo fortemente, na publicidade no mundo todo, e o Brasil é dos países que mais investem. É o futuro em comunicação publicitária, são possibilidades infinitas de acessibilidade através dessas mídias que a mídia estática não tem, como a interação com rastro”, diz Leander Menezes, Sales Manager da Adtrackmedia.

Os displays são comuns em ambientes indoors, como lojas, shoppings, supermercados, universidades e condomínios, ou locais de espera forçada, como o transporte público, seja no ponto de ônibus, na plataforma do metrô ou dentro dos ônibus e trens. “São locais que as pessoas passam cinco vezes por semana, por, pelo menos, 20 minutos”, lembra Leander.

Pesquisa realizada pela Adtrackmedia com usuários da linha 4-amarela do metrô de São Paulo, apontou que metade deles afirmou ter se surpreendido com o vídeo digital em exibição na janela do trem, sendo esses os vídeos mais memoráveis entre os pesquisados em comparação com outros tipos de publicidade nos metrôs.

Os varejistas também preferem a sinalização digital, diz a Orbis, pois oferece a capacidade de alterar o que está sendo exibido na sinalização sem grandes investimentos de tempo ou dinheiro, economizando assim custos a longo prazo. A capacidade de exibir conteúdo com luz, cor, brilho e animação, é outra vantagem. “É destacável o nível de engajamento, interação e credibilidade que essas mídias trazem para conversão”, diz Leander.

E mais do que interatividade, como as telas que reagindo a fotos e toques, o que acaba impactando também no engajamento do público, uma diversidade de possibilidades do uso da comunicação digital se abre se considerarmos a coleta de dados neste ponto e que são cada vez fundamentais na estratégia dos negócios hoje, que pode começar com o simples uso de um QR Code nas telas. Os displays são ainda uma forma eficiente para reforçar a identidade da marca enquanto inspira e informa seus consumidores.

A comunicação digital também leva vantagem em relação ao custo, que, apesar de demandar um investimento inicial maior que um anúncio estático e impresso, no final ele acaba dando mais retorno, além de eliminar os custos de impressão, que costumam responder por 20% do valor da mídia. “O material vai via internet para o painel, a alteração dele é feita online, ou seja, já elimina a necessidade de logística de instalação, isso já reduz facilmente uns 20% a 30% do custo”, detalha Leander. Além disso, não há o custo ambiental da ação.

Leander ressalta ainda que a digital signage é eficiente não apenas na comunicação entre as marcas e seus consumidores, mas entre as empresas e seus colaboradores. “O que antigamente se usava memorandos para informar sobre o que estava acontecendo na empresa, hoje as áreas de permanência são usadas também como área de comunicados internos e a sinalização digital acaba sendo o melhor meio, especialmente entre aquelas com uma quantidade grande de colaboradores”.

Um case de destaque no uso de digital signage é na Disney, onde tudo é pensando para a experiência do cliente. As telas comunicam desde informações de segurança nas atrações até entretenimento para quem aguarda na fila dos brinquedos. Recentemente o McDonalds também ganhou repercussão no mundo publicitário ao adotar o canal como parte das ações em comemoração aos 50 anos do tradicional sanduiche da rede, o BigMac. Nas ruas de Bogotá, por exemplo, as telas exibiam silhuetas e passos de dança para serem seguidos pelos transeuntes. Aqueles que concluíam com êxito a tarde dançante, ganhavam uma McCoin (moeda da rede) que é colecionável ou pode ser trocada por um sanduíche. Em uma semana, a campanha registrou 1.200 interações.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS