Metade dos consumidores deve gastar acima de R$ 600 na Black Friday

Levantamento mostra que 64% pretendem parcelar o pagamento das compras na ação comercial. 44% utilizarão o cartão de crédito

Por: - 3 meses atrás

A Black Friday – principal ação comercial do ano – já movimenta as projeções de consumo no Brasil. De acordo com pesquisa realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção de Crédito), mais de 100 milhões de brasileiros devem aproveitar as promoções nesta data. O levantamento também destaca que 71% dos entrevistados pretendem comprar na ação que já se consolidou no cronograma de consumo do Brasil.

Realizada com 1.200 entrevistados em todo o país, a pesquisa indica que metade dos respondentes pretendem gastar acima de R$ 600. O ticket médio diminui para uma parcela de 11% dos entrevistados, que deve gastar entre R$ 501 e R$ 600.

A projeção também indica que 64% dos consumidores pretendem pagar as compras da Black Friday parcelando o valor, enquanto 36% pagarão à vista. Entre os que irão parcelar o pagamento das compras nesta data, 27% farão de 2 a 3 vezes; 32% entre 4 e 12 vezes e 5% acima de 12 vezes. Os meios de pagamento devem ser cartão de crédito, com 44%, seguido por boleto bancário, com 18%. As outras formas de pagamento mais utilizadas serão em dinheiro (13%) e cartão de débito (9%).

Histórico

Entre os que farão compra na ação comercial, 63% afirmam que já compraram nas edições anteriores, de modo que 81% responderam ser vantajoso realizar compras na data. O levantamento também destaca que, para 56% dos respondentes, as compras na Black Friday estão planejadas, enquanto 37% vão consumir pela oportunidade.

O e-commerce segue como canal preferido de compra na ação comercial. O estudo destaca que 60% pretendem comprar em canais virtuais e 40% devem ir à procura de ofertas em lojas físicas. 25% devem focar as compras nas grandes redes varejistas e lojas de departamentos de shoppings e 22% nas demais lojas de shoppings centers.

Produtos procurados

Na lista de produtos mais desejados pelos consumidores, aparecem: 51% eletrônicos e eletrodomésticos (empatados); 42% celulares; 38% acessórios de moda e acessórios; 33% informática; 32% itens de casa e decoração e 17% produtos de saúde, cosméticos e perfumaria. O levantamento também mapeou que 58% dos consumidores irão comprar produtos que ainda não possuem.

Efeitos da crise

Dos 29% que indicaram que não farão compras na data, 20% alegam que o endividamento é o principal motivo para realizar compras. Na sequência, os motivos listados são o aumento dos preços/inflação (18%), contenção de despesas (17%), pagamento de outras contas da casa (15%) e desemprego (12%). Encerram a lista os que não possuem o hábito de fazer compras nesta data/sem vantagem (12%) e redução da renda/salário (6%).