Nos últimos três meses, quase 5 milhões de Fake News foram compartilhadas

Polarização política impulsionou o compartilhamento de mensagens falsas nos três meses que antecederam as eleições presidenciais

Pixabay

As Fake News protagonizaram o debate nas eleições em diferentes países nos últimos cinco anos, de modo que, no Brasil, não foi diferente. Relatório elaborado pelo dfndr lab – laboratório de segurança da PSafe -, revela que o número de notícias falsas que circularam pela internet aumentou 43% em relação a 2017.

Os dados do levantamento foram gerados a partir do mapeamento de ciberataques a smartphones Android dos mais de 21 milhões de usuários do app dfndr security. O resultado das pesquisa foi mensurado nos meses de julho, agosto e setembro. Para localizar os ataques, a empresa utilizou técnicas de inteligência artificial e também contou com o apoio de especialistas em segurança digital.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

De acordo com o relatório, mais de mais de 4,8 milhões de ações relativas a Fake News foram detectadas, o que representa um aumento de 34% em comparação com o mesmo período de 2017. O montante de detecções de links no trimestre foi de 43,8 milhões, de modo que a presença de Fake News mais que dobrou em comparação com o ano passado.

Como era de se esperar, o tema central para a montagem de notícias falsas foi política, que correspondeu por 46,3% do total de publicações falsas. “A principal questão é que notícias falsas são um risco real à segurança das pessoas. Considere, por exemplo, o dano que fake news sobre medicamentos ou vacinas podem causar à população. Por isso, é necessário e urgente intensificarmos a discussão sobre o tema e a conscientização sobre como se proteger”, explica Emilio Simoni, diretor do dfndr lab.

Em pesquisa paralela, que contou com 35 mil respondentes, as Fake News também foram motivo de preocupação. O levantamento mostrou que quase 65% dos entrevistados já receberam algum tipo de conteúdo falso por aplicativos de mensagens, como Facebook Messenger e WhatsApp.

Tags:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS