O grande desafio do varejo: usar dados com sabedoria

NRF 2019 enfatiza o poder do data science para reinventar o varejo. Novarejo acompanha o evento de varejo mais tradicional e influente do mundo. Confira

Por Jacques Meir e Fabiana Zuanon

 

Este ano, Novarejo participa da NRF com a delegação BTR-VARESE. Vamos proporcionar à nossa audiência uma visão de tendências e de opinião que sejam relevantes para nosso momento. O ano de 2019 promete trazer uma nova dimensão competitiva. A tecnologia e a habilidade de processar informações farão a diferença entre varejistas bem-sucedidos e aqueles que estarão mais propensos ao fracasso.

Um bom exemplo foi o painel “Desafios e práticas para implementar a ciência de dados de modo efetivo”, em tradução livre, que reuniu John Hart, Chief Information Officer da Carhartt, John Oberon, CEO da DecisionMiners e Tracy Welson- Rossman, da Tech Girls.

A implementação bem-sucedida da tecnologia avançada do machine learning começa pela compreensão das ramificações que essa tecnologia terá em todos os aspectos do varejo. Como as diferentes redes varejistas poderão gerenciar de modo mais qualificados os dados e processos que permitam utilizar os dados de modo inteligente e eficaz.

Tracy é ela mesma uma cientista de dados e se dedica a compreender o que motiva os consumidores a comprar. Em sua experiência de varejista, tanto em lojas físicas quanto em operações on-line, ela procura ensinar redes varejistas a compreender o poder dos dados. Quais são os desafios reais para fazer a ciência de dados funcionar no varejo? Para John Hart, os varejistas precisam entender que precisam abrir vagas para profissionais com habilidades distintas ou estranhas ao negócio: engenheiros, analistas de dados e precisam confiar neles. Mas sobretudo, é necessário compreender que os dados são a essência de um negócio centrado no cliente. Simples assim. A inteligência da máquina ajuda os líderes a serem melhores. John Oberon, que trabalha com dados há 20 anos, diz que os dados constroem novas perspectivas para o negócio.

Experiência, decisões e foco no cliente são dimensões que os varejistas precisam cobrir para realmente entender a força dos dados. “É necessário fazer as perguntas certas”, destaca Hart. Dados por si só não falam nada. É fundamental ter a habilidade de compreender o que deve ser respondido por ele. Hart enfatiza que é necessário ter alguém no time capaz de compreender estatísticas e de identificar corretamente os melhores insights.

Oberon, por sua vez, comenta que os dados permitem fazer múltiplas simulações que orientam as decisões. Testes com ofertas, mix, formatos podem ser desenvolvidos e monitorados rapidamente, e então permitir decisões mais acuradas.

Falar de dados significa identificar oportunidades e permitir mudanças rápidas. A tecnologia muda rápido e tudo está interconectado. Essa dinâmica cria oportunidades constantemente e o varejo precisa acompanhar essa velocidade.

Os debatedores comentaram que o uso de metodologias ágeis é uma das bases para ações que derivam dos insights extraídos dos dados. Prototipar é uma nova função que deve fazer parte das habilidades dos executivos de varejo.

E como engajar os executivos e a cultura para esse mundo baseado em dados? Para John Oberon, é preciso desenvolver times que trabalhem com essa visão. Ele defende que indivíduos não podem atuar de modo isolado, pois assim irão impedir a inovação. O dilema é entre centralizar ou descentralizar a tomada de decisão e a ação. Cientistas de dados podem fazer parte de todas as áreas, influenciando positivamente o marketing, produtos, operações, logística. Não há uma receita pronta para que as redes varejistas adotem, uma fórmula. Cada empresa precisa entender como evoluir sua cultura para uma operação realmente feita de dados.

Boas lições na NRF, válidas para a realidade do varejo brasileiro, que agora entra na era dos dados. Um novo varejo está em formação.






ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS