Tarifa branca: veja o que muda na conta de energia

Em 2019, o Brasil começou a operar a cobrança por meio da chamada tarifa branca. Entenda o que muda para o consumidor

Por: - 6 meses atrás

Crédito: Unsplash

Começou em janeiro a cobrança de consumo de energia por meio da chamada tarifa branca. Em linhas gerais, essa tarifa aparece na conta de luz de quem consome mais de 250 quilowatt-hora por mês (KWh/mês) – o que engloba quase 16 milhões de unidades consumidores, ou seja, pessoas e empresas. Aprovada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a tarifa branca sinaliza aos consumidores a variação do valor de energia de acordo com o dia e o horário de consumo.

Casas e pequenos estabelecimentos comerciais que consomem a partir de 250 kWh (quilowatts-hora) serão os principais beneficiados. O modelo existe desde 2018, mas era só para consumidores a partir de 500 kWh por mês.

Como funciona

Com as novas regras, nos dias úteis o preço da energia será dividido em três postos horários: ponta, intermediário e fora de ponta. O horário de ponta ficará com a energia mais cara e terá duração de três horas, geralmente na parte da noite. A taxa intermediária será uma hora antes e uma hora depois do horário de ponta e também terá a energia mais cara. Os horários foram de ponta ficam então mais baratos. Nos feriados nacionais e nos fins de semana, o valor é sempre fora de ponta. As faixas de horários variam de acordo com a distribuidora que atende a região.

A seguir, confira o infográfico produzido pela CAS Tecnologia, especializada na construção de soluções inteligentes para redes de água, energia e gás, para entender o funcionamento da nova cobrança:

 

Crédito: CAS tecnologia