Games: mais reais do que nunca

O rapaz da foto é Enzo Bonito, um jogador de game que venceu um ex-piloto de Fórmula 1. A vitória exibe o assombroso avanço dos videogames em simular o mundo real

Por: - 6 meses atrás

Crédito: Enzo Bonito/ Twitter

Não é de hoje que simuladores e/ou videogames são usados no treinamento de situações do cotidiano. Pilotos de aviões, por exemplo, tem sido submetidos a treinos em cockpits virtuais antes de pilotarem um avião de verdade. O mesmo acontece na hora de obter a licença para dirigir. Há países que utilizam simulares antes do teste prático, evitando assim eventuais acidentes.

No entanto, um gamer ou jogador de eSports especializado em jogos de corrida simplesmente mostrou que é possível vencer um piloto de verdade apenas usando os simuladores. E ele não venceu apenas um, mas dois pilotos profissionais.

Corrida dos Campeões

A brincadeira ocorreu em um evento chamado Corrida dos Campeões. O evento reúne pilotos de diversas categorias de automobilismo: há desde pilotos de Fórmula 1, rally, turismo e, mais recentemente, competidores de eSports. E não é que o gamer foi bem?

O gamer é Enzo Bonito, um mexicano de 23 anos. Ele foi colocado em uma disputa contra dois pilotos profissionais relativamente conhecidos. Um deles é o brasileiro Lucas di Grassi, um ex-piloto da Fórmula 1 da equipe Virgin e que atualmente pilota carros da Fórmula E (carros elétricos).

Realizada no último dia 19, a competição, claro, não teve ultrapassagens ou aqueles famosos “pegas” que os brasileiros se acostumaram a ver em Interlagos. Na verdade, a competição foi de tomada de tempo, ou seja, vence quem faz a volta mais rápida.

Veja como foi a corrida:

No fim, Bonito não fez feio. Ele fez uma volta em 52.3 segundos, enquanto di Grassi fechou a sua volta em 53.0 segundos. Depois, foi a vez do piloto americano de Fórmula Indy, Ryan Hunter Reay. Desta vez, a diferença foi ainda maior em favor do mexicano: o mexicano fechou a volta na mesma pista em 52,8 segundo, enquanto que o americano concluiu o circuito em 54,1 segundos.

Não se pode dizer que os dois pilotos saíram desprestigiados. Afinal, o mexicano realizou “treinos” em um simulador, ao contrário dos pilotos profissionais. No entanto, o que podemos esperar do eSports no futuro? E o que os simuladores podem oferecer para o mundo daqui para frente?