Investidores de olho em um novo negócio: a compra de canais no YouTube

Uma reportagem do site The Verge afirma que um aquecido movimento de aquisições e fusões de canais de vídeos no YouTube nos EUA. Entenda

Crédito: Unsplash

Uma reportagem do site The Verge afirma que o universo dos youtubers, especialmente nos EUA, estaria passando por um processo de profissionalização que incluiria até mesmo um aquecido mercado de aquisições e até fusões de canais de vídeos no YouTube – algo semelhante a qualquer outro negócio feito em Wall Street.

Um exemplo citado na matéria foi a venda, em dezembro do ano passado, do canal Enchufe.tv, um dos maiores no YouTube de língua espanhola. Pouco conhecido no Brasil, trata-se de um canal de comédia com mais 19 milhões de inscritos. A reportagem não cita os valores envolvidos na transação, mas afirma que a produtora Touché Films (criadora do canal Enchufe) foi comprada pela 2btube, justamente uma das maiores agências especializadas em vídeos para YouTube do mundo.

Outra venda mencionada no texto foi o canal Little Baby Rum, vendido em julho do ano passado. O canal é conhecido pela produção de vídeos direcionados a mães com bebês recém-nascidos. Um dos vídeos mais famosos do canal se tornou o 13º vídeo mais visto da história do Youtube e reúne um compilado de canções de ninar.

Sobre a venda desse canal, a reportagem deu alguns detalhes do negócio que pode alcançado a cifra de US$ 11 milhões. A The Verge afirma que a produtora Holder (criadora do Little Baby Run) foi adquirida por ex-executivos da DHX Media, dona da marca Teletubbies, e também da Maker Studios, uma produtora de vídeos para YouTube que pertence a Disney. Esses executivos montaram uma nova empresa, a Moonbug, que, segundo especulam o noticiário internacional, teriam arrecado US$ 145 milhões em investimentos para futuras aquisições.

Mas por que esse movimento?

A reportagem cita três motivos por trás desse movimento no mundo dos youtubers: primeiro, o YouTube estaria evitando os chamados criadores caseiros, Em vez disso, estaria dando preferência a estrelas de Hollywood. Um exemplo foi o anúncio, feito pelo próprio reservatório de vídeos do Google, de programas originais estrelados pelos hollywodianos por Will Smith, Kevin Hart e Jack Whitehall.

Além disso, segundo a The Verge, haveria certo esgotamento de ideias dos produtores de conteúdo e até mesmo no  que ganhou fama no Youtube e que, em linhas gerais, resume-se a uma câmera, uma pessoa e uma ideia.

Haveria ainda um terceiro e possivelmente mais polêmico motivo. O YouTube estaria preocupado com criadores controversos de conteúdo (ou youtubers) e que afastam os anunciantes de suas plataformas. Isso já estaria levando alguns youtubers a se comportarem como celebridades e contando até mesmo com profissionais especializados em cuidar da imagem e até responsáveis pela supervisão do que será dito no canal ou fora dele.

A ideia da profissionalização, segundo discute a reportagem, é que com a devida orientação, esses produtores de conteúdo poderiam dar maior retorno financeiro não apenas dentro do canal no YouTube, mas também fora dele.

 






ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS