No Brasil, metade dos internautas não consegue ficar um dia sem smartphone

Levantamento do IBOPE Conecta apresenta percepção de efeitos negativos do aparelho na vida das pessoas. Saiba mais sobre o estudo

Por: - 8 meses atrás

Os smartphones se tornaram uma espécie de complemento dos nossos corpos. Em uma rotina hiperconectada, por quanto tempo você conseguiria ficar sem mexer no seu aparelho? O IBOPE Conecta fez essa pergunta aos internautas brasileiros e constatou que 52% dos respondentes não conseguem ficar um dia inteiro sem o aparelho. Aqueles que conseguem ficar um dia sem mexer somam 18%, de modo que 30% declararam que conseguem ficar sem o telefone por mais de um dia.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

No grupo de heavy users – aqueles que pouco conseguem ficar longe dos aparelhos -, 8% destacaram que aguentam ficar, no máximo, 1 hora sem o smartphone. Outros 11% citam entre 2 e 3 horas, mesmo percentual dos que mencionam até 6 horas, e 7% aguentariam até 12 horas. Contudo, há 15% que destacaram que não conseguem ficar sem o celular em momento algum.

Séries como Black Mirror já discutem as interferências que a tecnologia deve projetar na vida das pessoas. Sua vida é afetada negativamento pelo uso de celular? As respostas obtidas pelo IBOPE revelem que três em cada dez internautas (31%) apontam que não. Entretanto, outros 27% disseram que se sentem afetados pelo uso do dispositivo antes de dormir e 23% indicam que o aparelho interfere no relacionamento com as pessoas, mesmo percentual dos que indicam distração com as tarefas diárias.

O levantamento também revela que 16% dos entrevistados indicam que o uso do smartphone atrapalha no aspecto profissional, quantidade similar de internautas que relata que o relacionamento com a família também é afetado. Há também 12% que revelam ser afetados enquanto dirigem e recebem ligações/mensagens. Outros 9% dizem que sua saúde é afetada de maneira negativa; 8% se sentem afetados no ambiente escolar e 6% apontam que o aparelho celular atrapalha na vida sexual.