Estudo da Accenture mostra crescimento global no uso de assistentes digitais de voz

Relevância e confiança seriam os fatores essenciais para adoção da tecnologia, que trará mais uma forma de consumo no varejo

Metade dos consumidores online do mundo já usa assistentes digitais de voz e países emergentes lideram a adoção dos mesmos, de acordo com novo relatório da Accenture, que contou com a participação de 22.500 consumidores de 21 países. Além disso, assistentes de voz independentes – ou alto-falantes inteligentes – são uma das tecnologias mais rapidamente adotadas na história dos EUA e já contam com 98% de satisfação entre os consumidores norte-americanos.

LEIA MAIS
“Alexa, o que vem por aí de novo no comércio eletrônico?”
A voz como elemento de personalização da gestão financeira do dia a dia

“Adoção e satisfação com a tecnologia de alto-falantes inteligentes está em alta“, explica Robin Murdoch, coautor do estudo e diretor geral da prática global de Indústria de Software e Plataformas da Accenture. “Conveniência e preços acessíveis são os principais fatores para o aumento do uso, mas manter essa lealdade exigirá que as empresas permaneçam alinhadas com as necessidades do consumidor, criando e renovando constantemente essa confiança”.

O estudo “Reshape to Relevance” mostra que os assistentes digitais por voz estão revolucionando a tecnologia de consumo e ecossistemas de serviços. Ao todo, 93% dos consumidores globais esperam que as compras feitas por equipamentos como smart-TVs e computadores sejam baseadas na facilidade de integração com gadgets inteligentes.

A relevância dos assistentes digitais de voz  fica clara quando se analisa as expectativas dos consumidores, que querem usar esses dispositivos para tarefas mais avançadas, além de atividades rotineiras como chamadas de voz, ouvir música e eBooks ou ler as últimas notícias. Para eles, o valor dos assistentes de voz está na gestão de segurança doméstica (61%), automação residencial conectada (59%), pagamento de contas e envio de alertas de pagamento (55%) – até mesmo na realização de reservas em restaurantes (53%) e acesso a conselhos médicos virtuais (52%).

Contudo, a confiança é um empecilho potencial para a adoção de assistentes digitais por voz em larga escala, com 41% dos consumidores citando preocupações com privacidade e 40%, preocupações de segurança com a tecnologia. Já 46% dos consumidores acreditam não ter controle sobre os dados usados pelos assistentes de voz e 58% têm mais chances de reavaliar sua confiança com o serviço por meio da verificação contínua do uso de suas informações.

Greg Roberts, outro coautor do estudo e diretor geral da prática de alta tecnologia para América do Norte da Accenture, afirma: “Os consumidores esperam que seus alto-falantes inteligentes lidem com cargas de trabalho complexas e as integrem com outros produtos. Marcas que oferecem capacidades avançadas de inteligência artificial têm mais chances de sucesso. Mas, para que possam atrair mais consumidores, terão que ser transparentes sobre o modo como armazenam, usam e compartilham dados. Estabelecer um padrão de confiança único com os consumidores é essencial.”

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS