Delivery: iFood lidera pesquisa em pedidos feitos por aplicativos

Pesquisa da QualiBest indica que empresa lidera segmento de delivery entre os respondentes. UberEats também aparece na lista de preferências

Por: - 5 meses atrás

Shutterstock

Os pedidos de refeição via delivery entraram definitivamente no radar do consumidor brasileiro. De acordo com pesquisa realizada pelo Instituto QualiBest, que aferiu preferência e frequência, o iFood possui o maior share of mind do mercado de delivery de refeição via aplicativo. O levantamento quantitativo online contou com participação de 2.011 homens e mulheres de todo o Brasil.

Segundo a pesquisa, metade da amostra já utilizou algum aplicativo de delivery para pedir comida, de modo que 93% deste público conhecem o iFood, que é líder de awareness na categoria, tanto espontâneo quanto estimulado. Outro dado sobre a imagem da marca é que 81% afirmam ter visto ou ouvido algum comercial de TV da marca recentemente.

Confira a edição online da Revista Consumidor Moderno!

Na sequência, aparece o Uber Eats – citado por 32% dos respondentes. A lista segue com aplicativos de delivery próprios dos restaurantes, com 28%. A PedidosJá aparece com 20%, Rappi tem 17%, Delivery Much com 14%, Glovo com 11% e Rapiddo com 7%.

De acordo com Daniela Malouf, diretora-geral do Instituto QualiBest, o levantamento mostra que a comodidade de poder pedir refeições de qualquer lugar se consolidou entre os hábitos do consumidor. “A comodidade em pedir pratos de restaurantes que já gosta sem sair de casa ou do trabalho, o processo de compra fácil e rápido, a oferta de uma ampla rede de locais cadastrados e a variedade de pratos são os grandes benefícios”, diz.

O perfil de quem usa

Segundo o levantamentoda QualiBest, 60% dos usuários de aplicativos de entrega pertencem às classes Ae B, de modo que 61% moram na região Sudeste. O valor do ticket médio de pedido por pessoa foi de R$ 38,00.

Vale destacar que os pedidos aumentam aos finais de semana e feriados, quando geralmente as pessoas optam por não cozinhar em casa. “Os aplicativos também apresentam outros benefícios percebidos como, por exemplo, a oportunidade de usar cupons de desconto, conhecer novos restaurantes e diminuir os gastos versus a ida a um estabelecimento físico”, acrescenta Daniela.